Política Patriótica e de Esquerda

Programa Eleitoral do PCP

Soluções para um Portugal com futuro

Programa Eleitoral do PCP

O PCP apresenta um programa com propostas e soluções para cada uma das áreas da vida nacional, que parte do notável património de conhecimento granjeado pelo nosso Partido nas inúmeras reuniões, contactos, audições, visitas que realizamos um pouco por todo o país.

Apresentação

Lisboa, 16 de Julho de 2019

Principais propostas

já anunciadas

Aumento geral dos salários e do Salário Mínimo Nacional para 850€

Aumentos das pensões e reformas em, pelo menos, 40€ na legislatura

garantindo um aumento mínimo, em Janeiro, de 10 euros;

Garantia de creche gratuita para todas as crianças que nasçam a partir de 2020

no final da licença de parentalidade, e criação de uma rede pública com esse objectivo;

Redução da taxa máxima de IVA de 23 para 21%

Redução do IVA do Gás e da Electricidade de 23% para 6%

Criação de Plano Nacional de Combate à Precariedade

assegurando poderes executivos à ACT, para declarar vínculos efectivos a todos os trabalhadores a ocupar postos de trabalho permanentes

Reforma por inteiro aos 40 anos de descontos

sem penalizações e reposição da idade normal de reforma aos 65 anos

Eliminação das penalizações na reforma dos trabalhadores que foram obrigados a reformarem-se antecipadamente

e reuniam, à data da reforma, as condições que propomos

Programa integrado para resposta imediata aos problemas da Saúde

com um forte investimento, que permita contratar profissionais em falta e adquirir os equipamentos necessários

Concretização de uma Rede de Cuidados Continuados e Paliativos

de modo a garantir a plena cobertura, sem custos para os doentes e em especial grupos vulneráveis;

Assegurar, em todo o país, a aplicação de passes sociais para os transportes públicos

Visando a gratuitidade dos transportes colectivos

Reabertura de serviços públicos entretanto encerrados nas zonas de interior e do mundo rural

designadamente estações de correios, balcões da CGD, serviços de saúde e de educação.

1% do Orçamento do Estado para a Cultura,

garantindo o aumento do apoio público às artes e a reformulação do modelo de atribuição de apoios

Programa em PDF

1ª PARTE

1. ABERTURA

O País, os direitos dos trabalhadores e do Povo português, conheceram nos últimos anos avanços só possíveis pela luta travada pelos trabalhadores e o Povo e pela acção determinante do PCP. Avanços que embora limitados e insuficientes, mostram um caminho que é necessário levar mais longe para romper com mais de quatro décadas de política de direita. Avanços para libertar o País dos constrangimentos que impedem o seu desenvolvimento. Avanços para avançar no sentido dos valores de Abril, da soberania, da justiça social, do progresso e da paz.

Evolução real do PIB

Fonte: Contas Nacionais (INE)

O PCP tem respostas e soluções para fazer o País avançar. Com um percurso que comprova o seu papel determinante no combate de décadas à política de direita, pelo seu papel nos avanços alcançados na última legislatura, pelo seu projecto, acção e coerência. O PCP assume-se como força de ruptura para construir um Portugal com futuro, pronto a assumir todas as responsabilidades que o povo português lhe queira atribuir para construir a política alternativa, patriótica e de esquerda, e um governo que a concretize.

Portugal precisa de uma outra política que, no cumprimento da Constituição da República, assuma a elevação das condições de vida dos trabalhadores e do povo, o desenvolvimento da produção nacional, a melhoria dos serviços públicos e a elevação do investimento público. Objectivos que, como a vida tem demonstrado, reclamam que se enfrentem as imposições da União Europeia e a submissão ao Euro e que se confronte o poder e os interesses do grande capital monopolista, que se combata a subordinação do poder político ao poder económico, base na qual se desenvolve a corrupção. Só um Programa para uma política patriótica e de esquerda estará em condições de garantir esse percurso.

Um Programa com uma dimensão patriótica que coloque os interesses nacionais à frente das imposições externas, que recupere as parcelas de soberania perdidas e os instrumentos capazes de a efectivar, que proteja e valorize os recursos naturais e os coloque ao serviço do desenvolvimento presente e futuro do País.

Um Programa assumidamente de esquerda que assuma como objectivo central a valorização do trabalho e dos trabalhadores, a concretização das funções sociais do Estado e uma mais justa distribuição do rendimento e o controlo público dos sectores básicos e estratégicos da economia.

Um Programa para fazer o País avançar e que é realizável com o reforço da CDU e a determinação do Povo português, com a mobilização dos recursos e potencialidades nacionais.

1.1. PCP uma força para fazer o País avançar

Foi a intervenção decisiva do PCP que, dando expressão à luta desenvolvida que conduziu ao isolamento social e política do governo PSD/CDS, confirmou no plano político a sua derrota.

A interrupção da acção destruidora do governo PSD/CDS em Outubro de 2015, seja pelo que se travou e evitou, seja pelo que se recuperou e avançou, constituiu uma importante decisão política que se fica a dever, em primeiro lugar, à acção determinada do PCP.

A nova fase da vida política nacional demonstrou que o País não estava, nem está, condenado ao declínio, ao empobrecimento ou à dependência externa. Desmentiu a tese, posta em prática ao longo de mais de quatro décadas, que era com a liquidação de direitos e o empobrecimento dos trabalhadores e do povo que o País tinha futuro. Provou que, ao contrário, é pela elevação das condições de vida dos trabalhadores e do povo que se pode assegurar o crescimento económico e a criação de emprego.

Mas demonstrou também que a resposta plena aos problemas do País e às aspirações e interesses do povo, não é possível sem uma ruptura com a submissão às imposições e constrangimentos do Euro e da União Europeia e com a subordinação e compromisso com os interesses do grande capital.

O que se avançou na defesa, reposição e conquista de direitos tem importância. Tanto mais quanto interrompeu um percurso prolongado de ataque a direitos que sucessivos governos de PS, PSD e CDS impuseram. Mas estes avanços não iludem que era necessário e possível ir mais além na resposta que a dimensão dos problemas exigia.

Só não se avançou mais porque o PS não deixou, porque o PS mantém presente na sua governação opções essenciais da política de direita.

1.2. Os avanços alcançados

A nova fase da vida política nacional, com as contradições que lhe são inerentes, inscreveu novos elementos não desvalorizáveis. Pelo que permitiu de avanços, mas também pela sua consolidação neste período.

Com a luta dos trabalhadores e do povo, e a intervenção determinada do PCP , foi possível defender, repor e conquistar direitos.

Nº de desempregados em sentido real

Fonte: Inquéritos Trimestrais ao Emprego (INE);

Entre muitos outros relevam a reposição de direitos roubados como salários e pensões de reforma, feriados, direito ao transporte dos ferroviários e complementos de reforma aos trabalhadores do Sector Empresarial do Estado. O Salário Mínimo Nacional foi aumentado, ainda que aquém do necessário e possível. Repuseram-se os instrumentos de contratação colectiva no Sector Público Empresarial e eliminaram-se as restrições à contratação de trabalhadores na Administração Local.

Reverteram-se as privatizações da Carris, do Metropolitano de Lisboa e dos STCP e, ainda que parcialmente, na TAP.

Pôs-se fim aos cortes nas pensões e promoveu-se o seu aumento. Valorizou-se o abono de família, alargou-se o abono pré-natal e o apoio às pessoas com deficiência, designadamente com a criação da Prestação Social para a inclusão e a reposição das condições do pagamento do Complemento por Dependência..

Ampliou-se a protecção aos desempregados, com a criação do apoio aos desempregados de longa duração e a eliminação do corte no subsídio de desemprego. Foi reposto o direito ao pagamento por inteiro do subsídio de Natal. Valorizaram-se as longas carreiras contributivas e melhoraram-se as condições de acesso à reforma dos trabalhadores das minas e das pedreiras.

Na Administração Pública foram repostas as 35 horas, o direito à progressão na carreira, tomadas medidas de combate à precariedade.

Garantiu-se a gratuitidade dos manuais escolares nos 12 anos de escolaridade obrigatória. Reforçou-se a Acção Social Escolar e a contratação de funcionários nas escolas. Reduziu-se o valor das propinas e reforçaram-se componentes da Acção Social Escolar. Eliminaram-se os exames do 4º e 6º anos de escolaridade.

Foi possível reduzir taxas moderadoras, alargar a contratação de médicos e enfermeiros, reduzir os custos com medicamentos, inscrever como objectivo o alargamento de novas vacinas no Plano Nacional de Vacinação, fixar compromissos para a construção de novos hospitais.

Assegurou-se a gratuitidade do acesso aos museus aos domingos e feriados e retomaram-se programas para a sua valorização, reforçou-se o apoio às artes e à criação artística, inscreveu-se a valorização e apoio à Cinemateca Portuguesa e ao Arquivo Nacional de Imagem em Movimento, reduziu-se o IVA dos espectáculos e dos instrumentos musicais, procedeu-se à criação, na Fortaleza de Peniche, do Museu Nacional da Resistência e Liberdade, cuja instalação está em curso.

Aliviou-se o IRS sobre os rendimentos do trabalho, designadamente dos mais baixos rendimentos, com o alargamento do mínimo de existência e a criação de dois novos escalões, bem como com a eliminação da sobretaxa.

Concretizou-se a redução do preço da energia eléctrica e do gás natural e dos transportes públicos acompanhada de um significativo alargamento da mobilidade garantida aos utentes.

Reduziu-se o IVA na restauração e eliminou-se o Pagamento Especial por Conta, uma velha reivindicação dos pequenos empresários.

Garantiu-se apoio à agricultura familiar e aprovou-se o respectivo Estatuto. Reconstituiu-se a Casa do Douro. Aprovou-se uma nova Lei dos Baldios, ampliou-se o investimento na floresta, recuperou-se o Corpo de Guardas Florestais e criaram-se novas equipas de sapadores florestais. Reduziram-se custos com combustíveis para agricultores e pescadores.

Foi ainda possível cortar benefícios aos fundos imobiliários, tributar o património imobiliário mais elevado com a introdução do adicional ao IMI e aumentar a tributação sobre os grandes lucros por via do aumento da derrama estadual do IRC.

Ao contrário do que alguns sustentavam os avanços alcançados constituíram um dos factores centrais do crescimento económico. O crescimento médio anual do PIB, que nos últimos três anos foi de 2,3% ao ano – contrastando com o crescimento médio anual de apenas 0,5% entre 2013 e 2015 –, teve na procura interna, e em especial no consumo privado, um elemento determinante.

Com a melhoria das condições de vida, a devolução de rendimentos (salários, reformas e pensões, menos IRS, etc.) e ampliação do rendimento disponível das famílias dinamizou-se o mercado interno, o emprego aumentou, a Segurança Social reforçou as suas receitas, o Estado dispôs de mais receita fiscal que podia e devia ter sido utilizada para o aumento do investimento produtivo e o financiamento dos serviços públicos e funções sociais.

Rendimento Disponível das Famílias em termos reais, entre 2011 e 2018

Fonte: Contas Nacionais (INE), Março de 2019;

1.3. Problemas estruturais reclamam respostas estruturais

Os avanços alcançados nos últimos anos, não iludem no entanto uma realidade nacional que espelha o resultado de problemas acumulados ao longo de décadas de política de direita e de integração capitalista na CEE/União Europeia, que PS, PSD e CDS-PP levaram a cabo, agravada com a aplicação dos Pactos de Estabilidade e Crescimento e do «Memorando de Entendimento», um verdadeiro Pacto de Agressão subscrito por aqueles partidos com o FMI, o BCE e a Comissão Europeia. Política de direita denunciada e identificada pelo PCP como de recuperação capitalista, latifundista e imperialista, com uma evidente opção e conteúdo de classe ao serviço do grande capital e de destruição das conquistas de Abril. Política que evidencia a própria natureza, contradições e crise estrutural do capitalismo, que se revela incapaz de responder aos problemas nacionais, e é, em si mesma, factor de enfraquecimento da independência nacional.

A realidade nacional confirma as análises, prevenções, denúncias e combates do PCP em todas as vertentes: política, económica, social, cultural e ambiental.

Investimento Público em % do PIB

Fonte: Contas Nacionais (INE), Março de 2019;

Investimento Total em % do PIB

Fonte: Contas Nacionais (INE), Março de 2019;

São traços identificadores da realidade portuguesa: os elevados endividamentos e défices externos; a insustentabilidade da dívida pública; os reduzidos níveis do investimento público e privado, abaixo das necessidades de sustentação das infraestruturas e equipamentos (diminuição do stock de capital fixo); o agravamento dos défices produtivo, tecnológico, de capital, demográfico; a fragilização do tecido económico, a descapitalização de empresas, a destruição e elevada drenagem de capital para o exterior; a perda de controlo nacional de sectores, áreas e empresas estratégicas; o desemprego estruturalmente elevado, a desvalorização salarial, a precarização do emprego; as restrições no acesso a serviços públicos essenciais (saúde, ensino, cultura); os desequilíbrios territoriais e a desestruturação e desordenamento regionais; a degradação ambiental e a crescente mercantilização da natureza e da água; a degradação e subversão do regime democrático fixado na Constituição da República Portuguesa e a fragilização de componentes sociais do aparelho do Estado; a corrupção e o assalto aos bens públicos, a promiscuidade público-privado, a subordinação do poder político ao poder económico e da democracia e soberania nacional às decisões e imposições da União Europeia e das grandes potências.

Uma realidade que é consequência das opções de PS, PSD e CDS, que teve e tem como principais vectores as privatizações, liberalizações e desregulamentações económicas, laborais e sociais, o desmantelamento de importantes empresas do sector produtivo, a dependência externa e a submissão ao Euro e à União Europeia e ao grande capital.

O PCP bate-se por uma ruptura com a política de direita que abra caminho à concretização de uma política patriótica e de esquerda. O Programa Eleitoral que o PCP apresenta, visa uma profunda transformação da realidade nacional, removendo os constrangimentos a que está sujeita, libertando as imensas potencialidades de desenvolvimento de que o País e o Povo português são portadores. Um Programa para fazer o País avançar!

1.4. A política que o país precisa e a força necessária para a concretizar

A vida política nacional recente fez prova do papel decisivo do PCP enquanto força necessária e indispensável à solução dos problemas nacionais. Provou que o País não está condenado do declínio económico e retrocesso social. Mas provou também que o grande capital não desiste da sua agenda de intensificação de exploração e de subversão do regime. Seja pela mão do PS por si só, se para isso tiver força bastante, seja com ou pelo PSD e o CDS. Como muitas vezes se verificou ao longo da legislatura, o Governo PS mostrou que este não hesitará em fazer andar para trás o que se conquistou, não hesitará em colocar os seus compromissos com o défice e a dívida e com os interesses do grande capital, à frente dos interesses dos trabalhadores, do povo e do País.

Dia 6 de Outubro, nas eleições para a Assembleia da República, a questão que está colocada aos trabalhadores e ao povo é de optar entre avançar decididamente com o reforço da CDU na concretização de uma política que dê resposta às suas aspirações, ou de pela mão de PS, PSD e CDS andar para trás no que se conquistou. É esta a opção que cada um tem de decidir com o seu voto: a de avançar ou andar para trás. Avançar em direitos e não andar para trás na sua liquidação; avançar nas condições para assegurar o caminho do desenvolvimento soberano do País e não andar para trás com novas imposições e ingerências de submissão aos interesses e ditames da União Europeia e do Euro. Avançar com uma política que aposte no investimento, no financiamento dos serviços públicos e no apoio à produção, e não andar para trás com novas privatizações, mais dependência e maiores défices estruturais.

Avançar na afirmação do que Abril representou, afirmando os seus valores e concretizando as suas conquistas e não andar para trás na difusão de concepções anti-democráticas que remetem o País para os tempos sombrios de miséria, atraso, corrupção e repressão; avançar na concretização dos direitos inscritos na Constituição da República Portuguesa e não andar para trás na sua subversão e destruição. Avançar no sentido da resposta plena aos problemas do País, na afirmação da política alternativa capaz de romper com a política de direita e assegurar o desenvolvimento soberano do País.

O reforço da CDU, na sua expressão eleitoral e no número de deputados, constitui elemento decisivo para que os trabalhadores e o povo façam avançar o País no caminho do desenvolvimento económico e do progresso social e da afirmação da soberania nacional; na elevação das condições de vida, no investimento público e no financiamento dos serviços públicos, e na afirmação do regime democrático e dos valores da Abril.

Dia 6 de Outubro é da vida e do futuro de cada um que se decide, dos seus salários, das suas reformas, do seu direito a constituir família e a ter uma vida digna. Dia 6 de Outubro é sobre o futuro do País e o seu desenvolvimento soberano que cada um é chamado a ter com o seu voto uma palavra decisiva.

2ª PARTE

CAPÍTULO I - UM PROGRAMA PATRIÓTICO E DE ESQUERDA

1.1. Objectivos de uma política patriótica e de esquerda

Uma política patriótica e de esquerda, baseada na Constituição da República, que assegure a construção de um País desenvolvido, de progresso e de igualdade, tem, para o PCP, seis objectivos centrais:

1.1.1. Portugal livre e soberano, um País que comanda o seu destino, um povo que constrói o seu futuro

Romper com as dependências externas, reduzir os défices estruturais e assegurar um desenvolvimento soberano. O que exige a renegociação da dívida nos prazos, juros e montantes, articulada com a intervenção com vista ao desmantelamento da União Económica e Monetária e a necessária libertação do País da submissão ao euro, visando recuperar instrumentos centrais de um Estado soberano (monetário, orçamental, cambial); a eliminação de condicionamentos estratégicos pelo controlo público de sectores como a banca e a energia.

Afirmar a soberania e a independência nacionais, numa Europa de cooperação de Estados soberanos e iguais em direitos, de progresso social e paz entre os povos, rompendo com a submissão à União Europeia e a conivência com a NATO.

1.1.2. Um País desenvolvido e solidário, onde os trabalhadores e o povo encontrem plena resposta à realização dos seus direitos e aspirações

Criação de postos de trabalho visando o pleno emprego e o aumento dos salários, para uma valorização do trabalho e dos trabalhadores e a melhoria do mercado interno. Uma mais justa distribuição da riqueza, com a elevação de rendimentos do trabalho, a defesa do emprego estável e com direitos, subida dos valores das reformas e pensões, a defesa do sistema público solidário e universal de Segurança Social, o combate ao desemprego e à precariedade, e uma política fiscal justa.

1.1.3. A defesa dos sectores produtivos e da produção nacional e a afirmação da propriedade social e do papel do Estado na economia

A defesa dos sectores produtivos e da produção nacional, com uma reindustrialização pelo desenvolvimento da indústria transformadora e extractiva, o desenvolvimento da agricultura e das pescas garantindo a soberania alimentar; a afirmação de uma economia mista com um forte sector público e o apoio às explorações familiares, à pesca artesanal e costeira, às micro, pequenas e médias empresas e ao sector cooperativo. O que exige um incremento substantivo dos investimentos público e privado, uma profunda alteração na gestão dos fundos comunitários e nas políticas de formação, investigação e desenvolvimento tecnológico (I&DT), crédito, energia e comércio externo, a reversão das privatizações e a recuperação para o sector público dos sectores básicos e estratégicos, constituindo um Sector Empresarial do Estado forte e dinâmico e a definição de uma estratégia para a economia digital no respeito pelo quadro constitucional.

1.1.4. Um Estado ao serviço do povo, que efective os direitos sociais, assegure os direitos à saúde e educação e promova a cultura

Uma administração e serviços públicos, eficientes e desburocratizados, ao serviço do País, com o reforço do Serviço Nacional de Saúde, geral, universal e gratuito, a afirmação da Escola Pública, gratuita, de qualidade e inclusiva; o desenvolvimento Cientifico e Tecnológico; o acesso à cultura e a defesa do património, a valorização da língua e da cultura portuguesas; o apoio à livre criação e fruição artísticas, a democratização e promoção do acesso ao desporto.

O que exige um Estado com uma governação rigorosa e planificada, uma eficiente Administração Pública, uma política fiscal justa e eficaz, contas públicas controladas, o combate ao desperdício, uma dívida sustentável no médio e longo prazos e uma política orçamental com intervenção positiva nos ciclos económicos.

1.1.5. Um País coeso e equilibrado, a defesa do interior e do mundo rural, assente na regionalização e no ordenamento do território e numa política ambiental que salvaguarde a natureza

Um maior equilíbrio territorial e coesão económica e social das regiões, uma estrutura administrativa descentralizada, a valorização do Poder Local e a concretização da regionalização, o aproveitamento racional dos recursos, o combate ao despovoamento e à desertificação, a preservação do meio ambiente e ecossistemas, e a protecção do património paisagístico natural e construído. O que exige criteriosas políticas de investimento com grande impacto no território; uma viragem nas políticas ambientais; um papel determinante do Estado nos sectores estratégicos, o respeito pela autonomia das regiões dos Açores e Madeira, pela autonomia das autarquias locais e o reforço da sua capacidade financeira; o desenvolvimento das redes de infraestruturas e equipamentos públicos.

1.1.6. Um Portugal livre e democrático, baseado no respeito pelos direitos e liberdades, e no cumprimento da Constituição da República

A defesa do regime democrático de Abril e o cumprimento da Constituição da República, com o aprofundamento dos direitos, liberdades e garantias fundamentais e o reforço da intervenção dos cidadãos na vida política. O que exige o respeito pela separação dos poderes, a democraticidade e proporcionalidade dos sistemas eleitorais e a autonomia de organização e funcionamento dos partidos políticos; uma justiça independente, democrática e acessível a todos; o fim dos privilégios no exercício de altos cargos de entidades públicas, a eliminação da circulação entre cargos públicos e interesses monopolistas privados e da promiscuidade de interesses; uma política de Defesa Nacional e Forças Armadas ao serviço da soberania e independência nacionais e uma política de segurança que defenda os direitos dos cidadãos e a tranquilidade pública. A efectiva subordinação do poder económico ao poder político, com o combate à dominação económica monopolista, a assumpção e o exercício do Estado das suas missões e incumbências, o combate e punição da corrupção, do crime económico e do tráfico de influências.

1.2. A realização do Programa do PCP

O Programa Eleitoral do PCP é realizável com a força e a luta dos trabalhadores e do povo português. Com o alargamento da influência social, política e eleitoral do PCP e da CDU. Com a mobilização dos recursos nacionais, com a afirmação do direito do País a um desenvolvimento soberano. É esse o caminho que o PCP aponta com a política e as soluções que apresenta e que está em condições de concretizar. Portugal tem futuro.

Um caminho que exige a ruptura com a política de acumulação monopolista de sucessivos governos PS, PSD e CDS. Um caminho assente na ruptura com as políticas e orientações da União Económica e Monetária, do Tratado Orçamental, da Governação Económica da União Europeia.

Invocam-se os elevados custos do enfrentamento e confronto com as políticas impostas pela União Europeia e o Euro.

A questão fundamental são os custos de não arrepiar caminho. Os custos de não fazer a ruptura e dar continuidade à política de direita. Os custos de décadas de declínio económico e social. Os custos da exaustão do País no pagamento da dívida e nos limites do défice, sem dinheiro para a saúde e educação dos seus cidadãos e para os investimentos nas infraestruturas e equipamentos necessários. Os custos demográficos, da emigração, envelhecimento e desertificação humana! Os custos de amarrar o País a décadas de estagnação, apontando como futuro, a esta comunidade com quase nove séculos de história, o deixar de ter futuro!

O PCP propõe e inscreve como objectivo central a defesa dos trabalhadores, do povo e do País, é essa a opção de um programa patriótico e de esquerda.

Está nas mãos dos trabalhadores e do povo, de um governo patriótico e de esquerda, ancorado num amplo apoio e forte movimentação popular afirmar o direito do País a um desenvolvimento soberano.

Objectivo que tem como condição para a sua concretização o reforço da CDU em votos e deputados, assegurando uma relação de forças na Assembleia da República favorável à efectiva ruptura com a política de direita.

1.3. Cinco questões nucleares para o futuro do País

1.3.1. A sustentabilidade demográfica e o pleno emprego

Exige, para travar a baixa natalidade agravada no período da Troica com a emigração massiva de jovens, o direito a um emprego estável e valorizado, com remunerações em convergência com a média salarial da Zona Euro; os direitos de maternidade e paternidade; a criação de condições de habitação e vida, com uma rede de serviços sociais de apoio à infância; o combate à precariedade e à desregulação de horários de trabalho; o incentivo à formação e qualificação dos jovens e trabalhadores, suporte imprescindível do desenvolvimento do País.

Emigração em Portugal entre 2011 e 2018

Fonte: Estimativas da população residente em Portugal 2018, INE;

1.3.2. A redução das desigualdades sociais, a eliminação da pobreza e a correcção das assimetrias regionais

Exigem uma alteração na distribuição dos rendimentos directos a favor do trabalho assumindo a valorização geral dos salários como emergência nacional, um significativo reforço da redistribuição dos rendimentos indirectos, via Segurança Social e Orçamento do Estado, dando nomeadamente continuidade à melhoria das pensões e reformas verificada na última legislatura, e de outros apoios sociais, abrindo caminho para a eliminação do flagelo da pobreza e dos trabalhadores pobres. O que deve ir de par com a correcção das assimetrias regionais através de um leque amplo de políticas integradas e dinamizadas por um poder regional decorrente da regionalização.

População em risco de pobreza ou exclusão social

Fonte: EU-SILC; Inquérito às Condições de Vida e Rendimento (INE);

1.3.3. O fortalecimento quantitativo e qualitativo do tecido empresarial

Exige uma política que, visando o crescimento económico e a defesa da produção nacional, promova a produtividade e a progressão nas cadeias de valor, com mais investimento empresarial em I&D e Inovação, dinamize o mercado interno, assegure o apoio necessário às micro, pequenas e médias empresas, combata os abusos dos grupos monopolistas e a predação pelo sector financeiro, desenvolva o controlo público e a dinamização das empresas estratégicas, restringindo o seu domínio pelo capital estrangeiro.

1.3.4. Um aparelho do Estado para sociedade portuguesa no século XXI

Exige o combate ao desmantelamento de infraestruturas científicas e tecnológicas (laboratórios, estações tecnológicas) públicas e ao depauperamento persistente de recursos humanos e materiais, reconstruindo e reconfigurando o Estado nos seus centros de competência e saber, nos serviços públicos essenciais, Serviço Nacional de Saúde, Escola Pública e Sistema Público de Segurança Social, recuperando áreas liquidadas, concessionadas ou entregues a parcerias público-privadas.

1.3.5. Um elevado nível de investimento público

Exige uma política orçamental, liberta das imposições e constrangimentos da União Europeia, que assegure um elevado nível de investimento público nas infraestruturas e equipamentos do Estado, no desenvolvimento qualificado de todos os serviços públicos essenciais, saúde, educação, segurança social, transportes, segurança pública e protecção civil, sistema público de I&D, nas dimensões nucleares de um Estado Democrático e soberano, como a Justiça e as Forças Armadas. Política orçamental que assim exige uma política de justiça fiscal, uma gestão criteriosa e rigorosa das despesas públicas, e um forte impulso ao crescimento económico pelo investimento nos sectores produtivos.

1.4. Ruptura com a política de direita

A política patriótica e de esquerda exige a ruptura em questões nucleares com a política de direita de PSD, CDS e PS, nomeadamente:

- a renegociação da dívida pública o que implica assumir simultaneamente a possibilidade de recuperar a soberania monetária através da libertação da submissão ao Euro e a recuperação do controlo público sobre a banca;

- a não aceitação dos limites e critérios impostos pelo Euro e a União Europeia;

- a recusa das ditas «reformas estruturais» – entendidas como processo prático de liquidação de direitos laborais; privatizações e crescentes limitações ao controlo público de empresas estratégicas; novos cortes nos direitos sociais, com «reformas» como a do SNS e da Segurança Social favorecendo a entrada do capital privado.

- a rejeição da subordinação aos interesses do grande patronato e do capital monopolista.

Não há solução para os problemas estruturais do País, com Orçamentos do Estado subordinados às imposições de Bruxelas e à lógica do capital monopolista, como ficou provado na legislatura que agora termina.

Os avanços verificados na devolução de rendimentos e no alargamento do mercado interno não compensaram, em termos de evolução económica, um baixo nível de investimento público e uma situação de grande fragilidade nos serviços públicos como o SNS e a Escola Pública.

O crescimento económico que se registou, inseparável da contribuição resultante de uma envolvente externa favorável e das medidas positivas que foram alcançadas, foi incapaz de ultrapassar os défices e estrangulamentos estruturais da economia nacional. Permanece, assim, uma estrutura e dinâmicas económicas incapazes de resistir a um novo sobressalto do quadro externo, tanto mais provável, quanto as causas profundas da crise aguda de 2007/2008 não foram vencidas, como se mantêm todas as tensões e contradições da crise sistémica do capitalismo mundial, que lhe subjaz.

1.5. Políticas para uma alternativa patriótica e de esquerda

A política alternativa que o PCP propõe tem uma base material sólida capaz de a viabilizar. Uma base material assente em opções e soluções que são, de facto, a real alternativa à insustentabilidade do futuro do País e do agravamento das condições de vida do povo português, que as opções estratégicas do PS, do PSD e do CDS garantem.

1.5.1. A questão fundamental é o crescimento económico

, com mais produção nacional, mais emprego valorizado e maior produtividade.

Por via do crescimento económico, mesmo débil, foram possíveis mais receitas fiscais, menor despesa e mais receita na Segurança Social. A devolução dos rendimentos verificada e a consequente melhoria do mercado interno foram decisivas para esses resultados.

1.5.2. Uma política de justiça fiscal

Melhorar as receitas do Estado exige a concretização de uma política de justiça fiscal

Os impostos, além do objectivo central de financiamento do Orçamento do Estado e das suas escolhas políticas, económicas e sociais, desempenham uma importante função redistributiva e para uma repartição mais justa e equitativa da riqueza nacional. Nas últimas décadas, sucessivos governos de PS, PSD e CDS optaram por uma política fiscal de favorecimento dos grandes rendimentos, dos grandes patrimónios e dos grandes lucros, acentuando a injustiça na distribuição da riqueza nacional.

É preciso outra política fiscal que, assegurando o adequado financiamento das funções do Estado, alivie os impostos que recaem sobre os trabalhadores e o povo.

Uma proposta de política fiscal baseada:

- na justa e progressiva tributação dos rendimentos de elevado valor e o desagravamento da tributação dos rendimentos mais baixos;

- na redução do peso relativo dos impostos indirectos (socialmente cegos e não progressivos) face aos impostos directos;

- no englobamento obrigatório de todos os rendimentos para efeitos de IRS, incluindo os rendimentos de capital e prediais;

- na tributação progressiva de todo o património, seja o imobiliário, seja o mobiliário, corrigindo assim uma grave lacuna do sistema fiscal português;

- no combate à fuga, evasão e elisão fiscais, com o reforço dos meios da Autoridade Tributária e a revisão do quadro legal facilitador dessas práticas;

- no combate aos paraísos fiscais, ao chamado planeamento fiscal agressivo e outros expedientes utilizados pelo grande capital na fuga ao pagamento de impostos;

- na não abdicação da soberania em matéria fiscal face às crescentes imposições da UE.

Os impostos não são neutros no plano social e económico. A tese de que «há impostos a mais» visa sobretudo esconder as injustiças que marcam o sistema fiscal português. Esconde que uns têm impostos exagerados, a mais, e outros, impostos reduzidos, a menos, face aos seus rendimentos e patrimónios. As possibilidades de aumento da receita fiscal são reais. Desde logo, as que decorrem do próprio crescimento económico, conforme ficou demonstrado nos últimos anos, com a devolução de rendimentos e direitos e a consequente maior arrecadação de receita fiscal. Mas o aumento de receitas, pode e deve ser feito, como propõe o PCP, com mais justiça fiscal.

Ou seja, mesmo reduzindo os impostos sobre os trabalhadores e as famílias em cerca de 1,9 mil milhões de euros, é possível um aumento potencial da receita fiscal anual em 5,6 mil milhões de euros. Mesmo sem ter em conta outros acréscimos de receitas decorrentes de outras medidas fiscais propostas pelo PCP, como o Imposto sobre o património mobiliário.

Peso relativo na receita fiscal conjunta do IRS e do IRC

Rendimentos do Trabalho no Rendimento Nacional

Fonte: Contas Nacionais INE
Aumento pontencial anual da receita fiscal pela aplicação de algumas das propostas do PCP
Redução de impostos para os trabalhadores e as famílias  
IVA (valores em Milhões de €)
Redução da taxa normal para 21% 983
Redução da taxa sobre electricidade e gás para os 6% 844
Redução da receita do IVA 1 827
Total estimado de poupança 1 827
Aumento da receita fiscal pela tributação do capital  
IRS (valores em Milhões de €)
Englobamento obrigatório de todos os rendimentos 1 016
IRC (valores em Milhões de €)
Receita adicional da proposta do PCP 4 364
Impostos sobre transações financeiras (valores em Milhões de €)
Imposto de 0,5% sobre transacções 2 019
Aumento potencial da receita fiscal 7 399
Impacto da proposta do PCP 5 572

1.5.3. Uma despesa pública com critério e rigor

A par da renegociação do serviço da dívida, outras decisões e medidas são necessárias:

- Gestão criteriosa da despesa pública, incluindo o combate ao desperdício e à corrupção – apostar nos ganhos de eficiência da Administração Pública e do aparelho do Estado, com uma efectiva descentralização, com trabalhadores motivados, com o fim das despesas na externalização de serviços e com a não duplicação de estruturas, como sucede com a generalidade das entidades reguladoras que devem ser reinseridas na Administração Central, resgate das parcerias público-privadas e dos contratos $ de entidades públicas e a concretização efectiva da eficiência energética nos principais edifícios e infraestruturas do Estado.

- Aumento da eficiência dos investimentos públicos através da consolidação ou criação de entidades públicas: com valências de estudos e planeamento para a fase de definição/programação dos investimentos; com valências de projecto, fiscalização e gestão da execução de obras para a fase da sua concretização. O que exige, nomeadamente, o reforço de recursos humanos através de programas de recrutamento e formação pelas entidades públicas contratantes e o envolvimento do Sistema Científico e Tecnológico Nacional.

Revisão da legislação da contratação pública eliminando constrangimentos à gestão da execução de obras, criando condições de negociação directa (empresa/Estado) de alterações/modificações não estruturantes dos projectos que travem o recurso excessivo à via judicial e adequando ao nível tecnológico da engenharia portuguesa.

1.5.4. Travar a «exportação» de rendimento nacional, restringir «rendas/lucros de monopólio», promover a poupança dos portugueses e reduzir a emigração.

- Políticas e medidas que travem a perda de rendimento nacional para o estrangeiro sob a forma de dividendos e juros, quer pela reversão da titularidade de empresas estratégicas privatizadas quer pelo incentivo ao reinvestimento em Portugal. O saldo das transferências com a União Europeia entre 2016 e 2018 que foi de 5,9 mil milhões de euros, é inferior em cerca de 13,9 mil milhões de euros ao saldo negativo das entradas e saída global (ainda que esmagadoramente resultantes da relação com os países da UE) de dividendos, lucros distribuídos e juros neste mesmo período. Ou seja saíram de Portugal neste período mais do dobro do saldo das transferências de fundos comunitários. Tudo resultado das operações de privatização efectuadas nas últimas décadas, que colocaram em mãos estrangeiras a maioria do capital dos grupos económicos e financeiros e que se reflecte na cada vez maior saída de dividendos e lucros e no enorme endividamento externo traduzido na factura de juros.

- Impedir «rendas/lucros de monopólio»

O processo de privatização e liberalização de sectores estratégicos produtores de bens e serviços essenciais à economia e à sociedade levou à criação de verdadeiros monopólios que, tirando partido de posições dominantes, obtêm superlucros, prejudicam a competitividade nacional e põe em causa a sobrevivência de muitas pequenas e médias empresas, a par do agravamento do custo de vida das famílias portuguesas. É nomeadamente o caso da energia eléctrica, dos combustíveis fósseis, das telecomunicações, da banca e dos seguros, da grande distribuição, das principais indústrias da fileira da madeira e de outros factores de produção.

Até que o Estado reassuma o seu controlo público, o PCP defende que através das entidades reguladoras, nomeadamente da Autoridade da Concorrência, e outras estruturas do Estado, seja feito um levantamento exaustivo dessas situações no sentido de: ajustar preços de bens e serviços; devolver rendas excessivas apuradas; regularizar e regular as relações contratuais com as MPME à margem das leis.

- Promover a poupança dos portugueses

A baixa poupança dos portugueses não resulta de comportamento pessoal mas sim da elevada percentagem de trabalhadores com baixos rendimentos. Num País em que mais de 40% das famílias ganham menos de 10 mil euros anuais não há margem para poupar. Empurram mesmo muita gente em sentido contrário: consumir a crédito. Esquecem as taxas de juros de depósitos bancários praticamente nulas e as taxas de juro pagas pela dívida pública - certificados de aforro e tesouro - cada vez mais baixas.

É necessário incentivar a poupança, promover a compra de dívida pública portuguesa com taxas de juro atractivas; incentivos fiscais para atrair os emigrantes e a retoma dos depósitos bancários; medidas para travar a proliferação e a predação pelas comissões bancárias, alterando o paradigma de um sistema financeiro, cada vez menos intermediário na captação de poupanças para investimento e consumo, cada vez mais especulador financeiro.


CAPÍTULO 2 - Desenvolvimento económico

2.1. Objectivos centrais

O pleno emprego e um trabalho valorizado, com a melhoria da sua remuneração, qualidade, estabilidade e direitos e com um combate decidido à precariedade e à insegurança, ao desemprego estrutural e de longa duração.

O crescimento económico, sustentado e vigoroso, a níveis criadores líquidos de postos de trabalho, pelo crescimento significativo do investimento público e privado, a ampliação do mercado interno, o incremento das exportações, em especial de maior valor acrescentado, e o aumento da produtividade e competitividade das empresas portuguesas.

O desenvolvimento da produção nacional, como motor do crescimento económico e do pleno aproveitamento das capacidades e recursos nacionais, como resposta à procura interna, como alternativa a muitas importações e como suporte de um sector exportador de maior valor acrescentado e mais diversificado, nos produtos e nos destinos.

2.2. Opções estratégicas

2.2.1. A recuperação pelo Estado do comando político da economia, com a afirmação da soberania nacional e o combate decidido à dependência externa

, questão decisiva de uma política alternativa, exigência reforçada pelo contexto da globalização capitalista e da integração comunitária. O que exige:

- A subordinação do poder económico ao poder político, com o combate a uma estrutura económica monopolista, o exercício e assumpção pelo Estado das missões e funções constitucionais na organização e funcionamento da economia.

- A afirmação da propriedade social e do papel do Estado em empresas e sectores estratégicos, nomeadamente com um forte condicionamento regulamentar e de regulação, e a reversão programada das privatizações e a sua integração no sector público, por nacionalização e/ou negociação adequada ou outros instrumentos que assegurem o controlo público, afirmando um Sector Empresarial do Estado forte e dinâmico.

- A renegociação da dívida articulada com a intervenção com vista ao desmantelamento da União Económica e Monetária e a necessária libertação do País da submissão ao Euro, visando recuperar instrumentos centrais de um Estado soberano (monetário, orçamental, cambial).

- A eliminação de condicionamentos estratégicos pelo controlo público de sectores como a banca e a energia.

- A defesa de outras políticas económicas e financeiras da União Europeia visando a convergência real das economias e a coesão económica e social, nomeadamente a revogação do Tratado Orçamental e da União Bancária, do Programa de Estabilidade, da «Governação Económica» e do «Semestre Europeu» e a criação de um programa de apoio aos Países cuja presença no Euro se tenha mostrado insustentável, a par da revisão de outras políticas comuns, como da agricultura, pescas, indústria e comércio externo.

2.2.2. O planeamento democrático do desenvolvimento

, nos termos constitucionais, rompendo com uma economia dominada pelos monopólios, desigual e anárquica, visando o desenvolvimento equilibrado e integrado de sectores e regiões, a justa repartição social e regional do produto nacional, a salvaguarda do meio ambiente e a coordenação da política económica com as políticas social, de saúde, educativa e cultural. O que exige:

- Uma economia mista e a coexistência dos três sectores constitucionais – público, privado, e cooperativo e social – que, a par do controlo público nos sectores estratégicos, assegure um dinâmico sector cooperativo e social e um papel relevante das micro, pequenas e médias empresas.

- Um sector público, forte e dinâmico, condição para a manutenção em mãos nacionais de alavancas económicas decisivas, instrumento essencial para garantir o desenvolvimento integrado e sem desperdícios, o ordenamento do território e um Estado com um papel produtivo e não meramente regulador.

Mais e melhor apoio ao sector cooperativo e social

A criação de uma taxa de IRC inferior em dez pontos percentuais em relação ao sector privado, para as entidades que não têm taxa zero, além de outras medidas fiscais, visando nomeadamente o auto-financiamento e as reestruturações.

Criação de um Fundo Nacional Cooperativo, inclusivé com um Programa Especifico no Portugal 2030, que apoie a criação de novas cooperativas; a inovação, investigação e desenvolvimento; a promoção da imagem do sector e o apoio às estruturas de representação associativa.

Eliminação das sub versões contidas no Código Cooperativo, respeitando os princípios cooperativos consagrados pela Aliança Cooperativa Internacional, nomeadamente «um homem, um voto».

2.2.3. Uma estratégia nacional para a economia digital

O País precisa de uma estratégia nacional, de abordagem da tecnologia digital na sociedade e economia portuguesas, que tenha como enquadramento:

- A Constituição da República assegurando no quadro das novas tecnologias – Inteligência Artificial/Robots, Base de dados, Plataformas informáticas – o respeito pelos direitos e garantias dos cidadãos, nomeadamente dos trabalhadores, a soberania e independência nacionais, acautelando e salvaguardando questões como o direito ao trabalho, o direito à privacidade e impeça a criação e utilização abusivas de bases de dados;

- A defesa e o desenvolvimento da produção nacional – indústria, agricultura e pescas – analisando os impactos da economia digital sector a sector; potenciando os recursos naturais e humanos do País; qualificando e integrando as suas forças produtivas; desenvolvendo a investigação, a ciência, a tecnologia e a inovação. Uma estratégia de divulgação, pedagógica e formativa, para a compreensão e uso adequado pelos cidadãos das «novas tecnologias», contribuindo para uma sociedade mais justa, inclusiva e desenvolvida.

- O papel do Estado assumindo em toda a plenitude a incumbência da promoção, condução e regulação do desenvolvimento e aplicação das tecnologias digitais, e em particular da Inteligência Artificial, através de institutos públicos, e envolvendo outras estruturas sociais, deve concentrar a sua intervenção em sectores estratégicos e nos défices estruturais do País;

- A valorização do trabalho e dos trabalhadores como matriz obrigatória na condução e aplicação das novas tecnologias, respeitando os direitos laborais e a participação das suas organizações, nomeadamente: pela antecipação e controlo dos seus impactos sobre o trabalho e o emprego; pela prospecção adequada e oportuna das reorganizações e reestruturações dos sectores produtivos, e tendo como objectivo condutor a redução da jornada de trabalho para as 35 horas.

2.2.4. A defesa e o desenvolvimento da produção nacional e a superação dos principais défices estruturais

, através da valorização e expansão dos sectores produtivos, a reindustrialização do País e a consideração da agricultura, pecuária, florestas e pescas como produções estratégicas. O que exige:

- A dinamização dos investimentos, público e privado, e das acções de investigação e inovação associadas à produção, visando a alteração do actual perfil de especialização da economia.

- Uma política agrícola que, a par da racionalização fundiária pelo livre associativismo no Norte e Centro, tenha por eixo central uma profunda alteração fundiária que concretize, nas actuais condições, uma reforma agrária nos campos do Sul, liquidando a propriedade de dimensão latifundiária; que condicione por lei o acesso à terra pelo capital estrangeiro; que trave a exploração intensiva, predadora dos solos e das reservas de água (superficiais e aquíferos), e a especulação imobiliária “turística” e assegure o bom aproveitamento das potencialidades agrícolas do Alqueva e de outros regadios e obras de engenharia agrícola, tais como o Azibo, Vale da Vilariça, Vouga, Mondego, Lis e Cova da Beira.

- Uma política florestal que, assente no respeito pelas diferentes realidades sociais, nomeadamente a pequena propriedade florestal e da propriedade comunitária (baldios) assegurando-lhe um forte apoio, vise objectivos de uma floresta multifuncional assente em ecossistemas tradicionais (como o montado), com a defesa da floresta de uso múltiplo, o combate às monoculturas, a valorização das espécies autóctones (fauna e flora) e da protecção de $ameaçados, em especial nas dunas; o investimento público para o ordenamento, o cadastro e a gestão florestal como condição de um adequado ordenamento florestal; fomente o associativismo florestal e a dinamização do investimento; valorize as fileiras florestais em todas as suas cadeias de valor, de forma a uma justa distribuição em particular aos pequenos e médios produtores florestais e compartes de baldios.

- Uma política do mar e das pescas, com desenvolvimento das suas potencialidades e recursos – científicos, ambientais, económicos e sociais – assegurando uma mudança radical na política de pescas e a soberania nacional nas nossas águas (mar territorial e Zona Económica Exclusiva) no quadro da extensão da plataforma continental (mar territorial, Zona Económica Exclusiva (ZEE) e da previsível zona resultante do alargamento desta) na coluna de água, fundos e subsolos marinhos nas zonas de alargamento.

Nas pescas

Garantia dos direitos históricos da pesca, na utilização do espaço marítimo nacional e nas áreas fluvial e lagunar; garantir os mesmos direitos no que concerne à produção e/ou extracção de bivalves; gestão de proximidade dos recursos respeitando o seu acesso colectivo e desenvolvimento de circuitos curtos de comercialização; fim da exclusividade da gestão dos recursos pela União Europeia; programa de avaliação nacional do estado dos recursos, com reforço da acção dos Laboratórios do Estado e de meios para a investigação. Modernização e renovação da frota de pesca, melhoria da eficiência energética, das condições de segurança e de habitabilidade das embarcações; programa específico de apoio à pequena pesca. Melhoria da operacionalidade dos portos, varadouros, portinhos e praias e das infraestruturas (cais, acessos), assegurando o desassoreamento das barras e bacias de manobra, e alargamento dos pontos de desembarque e primeira venda, dotando os portos de meios de salvamento em permanência e garantindo prontidão de resposta. Instituição legal de uma margem máxima na 2ª venda, apoio a um preço mínimo de retirada na 1ª venda e eliminação da possibilidade de contratos abaixo dos preços de leilão em lota; desenvolvimento de campanhas de valorização do pescado nos mercados interno e externos. Revisão do Regime Jurídico do Contrato Individual de Trabalho a bordo; melhoria da segurança, apoiando a aquisição de meios individuais de salvamento de utilização obrigatória; melhoria do regime de apoio aos pescadores, impedidos de exercer a actividade devido a medidas de conservação dos recursos e demais situações externas ao sector, reforço do fundo de compensação salarial, recrutamento de tripulantes nacionais com melhoria da remuneração e condições de trabalho, formação profissional adequada, revisão das categorias profissionais e das condições de inscrição marítima.

Nas outras actividades associadas ao mar

As outras actividades no mar, exigem a revisão da legislação do espaço marítimo, nomeadamente do seu ordenamento e a rejeição da Política Marítima da União Europeia (Livros Verde e Azul); rever a legislação do registo de navios e uso da bandeira nacional e reorganizar a Administração Marítima Nacional e de coordenação do sistema portuário; reforço das capacidades de intervenção administrativa e operacional na segurança dos navios, das tripulações e da navegação nas nossas águas territoriais e as capacidades de reboques portuários; reforçar a intervenção do Estado na pesquisa e prospecção de recursos geológicos do $ e desenvolver a execução de um Plano Estratégico de Defesa da Orla Costeira; elaborar um Plano Nacional de Portos (propriedade e gestão públicas), em estreita articulação com um Plano Nacional de Transportes e o ordenamento do território; reforçar as infraestruturas e capacidades de atracção e estacionamento de embarcações de recreio; reforçar o papel da aquacultura e desenvolver a capacidade produtiva, qualidade e competitividade da indústria conserveira, sobretudo com capturas nacionais; aumento da produção salineira; incentivar a construção e reparação naval, com vista ao lançamento do Programa de Reanimação da Marinha de Comércio e recriar uma empresa pública de dragagens; melhorar as condições de funcionamento dos diversos estabelecimentos de ensino de vários graus vocacionados para as questões do mar.

- A indústria como alicerce nuclear do desenvolvimento económico, é ponto de partida para a substituição de importações por produção nacional, assim como do crescimento da exportação de bens.

O País precisa de uma política industrial com objectivos estratégicos claros, meios disponíveis, e um programa de reindustrialização, com adensamento da malha industrial e elevação do valor acrescentado.

No quadro de um adequado planeamento económico cabe adoptar as seguintes orientações: o aumento da incorporação de Ciência e Tecnologia e inovação nos processos e nos produtos, para acréscimos na produtividade e na competitividade; um plano estratégico para o sector mineiro, com o reforço do papel do Estado nas actividades de pesquisa, prospecção e protecção e com a redução da presença de capital estrangeiro, e que integre a actividade extractiva e a transformação em território nacional numa lógica de fileira; desenvolver as indústrias básicas e estratégicas, pelo seu lugar central no aparelho produtivo, devendo ser privilegiados sectores como a construção e reparação naval, a fileira do material ferroviário, a manutenção e construção aeronáuticas, a siderurgia integrada, as metalurgias, a indústria química e farmacêutica; continuar os processos de modernização, com subidas nas cadeias de valor, dos sectores ditos tradicionais; apoiar as indústrias alimentares, tendo particularmente em atenção o défice alimentar; intervir nas actividades associadas ao sector automóvel, alargando a base de génese nacional; alargar o espectro produtivo das indústrias de alta incorporação tecnológica; assegurar uma elevada participação das áreas de projecto e indústria nacionais; melhorar o entrosamento com a indústria dos laboratórios do Estado, laboratórios associados e centros tecnológicos sectoriais e promover uma urgente, renovada e ampliada intervenção do Estado na esfera produtiva.

2.2.5. A defesa e dinamização do mercado interno

através de uma melhor distribuição do rendimento nacional e de uma despesa pública criteriosa, direccionada e transparente a par do desenvolvimento de relações económicas externas vantajosas e diversificadas. O que exige:

- O crescimento do rendimento disponível das famílias, pelo crescimento dos salários e pensões, travando e corrigindo um consumo desequilibrado centrado no crédito bancário.

- O fortalecimento do investimento público da administração central, das regiões autónomas e das autarquias, atingindo desde logo o limiar dos 5% do PIB, e a prioridade dos consumos públicos à produção nacional.

- A dinamização e apoio da actividade das micro, pequenas e médias empresas, tendo em conta o seu papel determinante no tecido económico e no abastecimento do mercado interno, nomeadamente alimentar e de outros bens, assegurando uma eficaz regulação da concorrência, combatendo os abusos de posição dominante e de dependência económica.

- A defesa do mercado interno é possível mesmo no âmbito da integração comunitária, nomeadamente, com outro nível de fiscalização das importações, impondo-lhe critérios mínimos de qualidade e técnicos; estabelecendo mecanismos que privilegiem o consumo da produção interna e travem a importação de bens de consumo, alimentares e duradouros; com o combate ao $e às políticas de liberalização do comércio por via da União Europeia.

2.3. Políticas-chave

Seis políticas-chave para o desenvolvimento económico e sustentabilidade futura do País:

- Finanças Públicas, com uma dívida sustentável e uma justa política de justiça fiscal;

- Investimento e uma banca para o desenvolvimento;

- Energia com progresso na eficiência energética e aproveitamento dos recursos endógenos;

- Transportes e comunicações para mais e melhor mobilidade dos portugueses e adequado transporte de mercadorias;

- Ambiente com preservação da natureza e combate à sua mercantilização e uma viragem nas políticas ambientais;

- Desenvolvimento regional para um território equilibrado.

2.3.1. Finanças públicas – uma dívida sustentável e uma justa política fiscal

A consolidação das finanças públicas é identificada como a sustentabilidade da dívida pública nos médio e longo prazos e a articulação da gestão orçamental com o crescimento económico, a criação de emprego e o desenvolvimento social. A política orçamental deverá ter sempre como finalidade a promoção de um elevado investimento público, nomeadamente, em infraestruturas, na produção nacional, no sector empresarial público, na educação, na investigação científica e desenvolvimento experimental e nas áreas sociais. A sua sustentabilidade impõe cinco exigências centrais:

- Um crescimento económico sustentado a ritmos elevados que promova o desenvolvimento, o emprego e potencie as receitas fiscais.

- Um permanente rigor e disciplina na avaliação das despesas públicas com o combate ao desperdício e um aumento da eficiência das administrações públicas.

- Uma política de justiça fiscal verdadeiramente progressiva que, no quadro de um alargamento da base tributária e de uma legislação simplificada, garanta: o alívio dos impostos sobre os trabalhadores e as pequenas empresas, o incremento das receitas tributando os mais altos rendimentos e património e garantindo a eficácia da Autoridade Tributária e Aduaneira.

- Uma política orçamental liberta dos constrangimentos impostos pela União Europeia, que seja capaz de intervir positivamente nos ciclos económicos, no quadro da qual deve ser renegociada a dívida pública.

2.3.2. Investimento e uma banca para o desenvolvimento

Uma política que aposte num forte crescimento do investimento, público e privado, permitindo iniciar uma trajectória que o aproxime do limiar mínimo dos 25% do PIB – valor necessário para assegurar uma taxa de crescimento do PIB de 3,0% -, a reorientação de todo o investimento em função das necessidades de desenvolvimento do País e uma muito maior eficiência na utilização dos fundos comunitários. O que significa:

- Uma gestão orçamental que favoreça o investimento público com a plena utilização dos saldos orçamentais primários e impedindo o uso de «cativações» e outras operações de tesouraria para travar a aplicação de dotações orçamentais para o investimento e o desenvolvimento de serviços públicos essenciais.

Ultrapassar as baixas taxas de execução dos Orçamentos do Estado, libertando-os dos constrangimentos comunitários e garantindo as contrapartidas nacionais aos fundos comunitários.

- Promover políticas de financiamento que favoreçam o investimento produtivo e a produção de bens transaccionáveis e o aumento da produtividade e da competitividade.

- Favorecer uma localização territorial do investimento que contribua para corrigir as assimetrias regionais.

- Criar condições para que a atracção do investimento estrangeiro tenha efeitos positivos no tecido económico nacional, combatendo o investimento reduzido à compra de activos nacionais.

- Reconstituir um sector financeiro que contribua para o crescimento económico e o desenvolvimento social, assente numa banca comercial sob controlo público, onde a CGD (com absorção do Banco de Fomento) terá um papel estratégico. Só assim o Estado será capaz de regular o sistema financeiro e de direccionar os fluxos de crédito e de financiamento.

2.3.3. Energia: avançar na eficiência e soberania energética

Exige-se um Plano Energético Nacional (PEN), que reduza os consumos e o défice energéticos, com programas que tenham em conta os impactos e limitações das políticas ambientais, de transporte e de produção. O que significa:

- A utilização racional da energia e acréscimos de eficiência energética nos transportes, nos edifícios (com prioridade para os públicos) e na indústria (redução da intensidade energética) e a diversificação das fontes de energia.

- O reassumir pelo Estado do seu papel de autoridade e de controlo público das principais empresas, no aprovisionamento, produção, transporte e comercialização das diferentes formas de energia e a reorganização das fileiras energéticas, recompondo a cadeia de valor das suas empresas.

- A prospecção e cartografia dos recursos, em energias renováveis (hidroeléctrica, eólica, solar térmica, fotovoltaica, biomassa, incluindo efluentes e resíduos orgânicos, geotérmica e as ligadas ao mar) e não renováveis, bem como recursos minerais escassos, crescentemente incorporados em novas tecnologias energéticas.

- O reforço da base científica e técnica, considerando sobretudo as novas aquisições no domínio da armazenagem de excedentes conjunturais de electricidade, associados à produção renovável e a valorização, e utilização integrada das potencialidades nacionais.

- A revisão completa dos incentivos, subsídios e outros apoios às empresas produtoras de electricidade, seja no domínio da produção convencional, seja das energias renováveis, para pôr fim a qualquer tipo de «rendas excessivas» e/ou receitas indevidas; estancar o défice tarifário, cujo saldo actual deve ser, de acordo com adequada programação, absorvido pelas empresas que o geraram.

- Um regime de preços máximos nos combustíveis líquidos e gasosos e electricidade, e o reforço dos regimes de energia bonificada para algumas actividades (agricultura, pescas e subsectores dos transportes). Reversão da taxa do IVA para 6% na electricidade e gás natural.

2.3.4. Transportes e comunicações – melhor mobilidade, melhores comunicações

Uma política de transportes e comunicações estratégicos e estruturantes na economia, no ordenamento do território e desenvolvimento das regiões, com uso eficiente da energia, em ruptura com as directivas da UE de destruição das empresas públicas e de desregulação, privatização e concentração nas grandes multinacionais.

Nos transportes :

- Uma presença e intervenção públicas determinantes no sector dos transportes, com a reversão da privatizações e o fim das parceria publico-privadas.

- A prioridade do transporte colectivo e público valorizando-o sobre o transporte individual e privado, através da promoção da fiabilidade e segurança da operação, reforçando o carácter intermodal.

- A prioridade ao modo ferroviário e à sua electrificação; o incentivo do transporte de mercadorias por ferrovia.

- A elaboração de um Plano Nacional de Transportes, integrando os modos terrestres, marítimos, fluviais e aéreos e as infraestruturas ferroviárias, rodoviárias, aeroportuárias, portuárias e logísticas.

A concretização de um Plano Nacional Ferroviário que integre um Plano Específico de Material Circulante – integrado no Plano Nacional de Transportes – ligando aparelho produtivo, rede ferroviária e material circulante.

- A elaboração de um Plano de Reactivação da Marinha Mercante Nacional com resposta pública a necessidades estratégicas como as ligações às ilhas e o apoio à actividade portuárias, ligando o aparelho produtivo à produção de embarcações para o transporte marítimo e fluvial.

- O relançamento do transporte marítimo e fluvial de mercadorias e incremento do fluvial de passageiros.

Na mobilidade:

- Fixar o objectivo da gratuitidade dos transportes colectivos públicos, concretizando no imediato, no âmbito nacional e em todas as ligações inter-regionais as novas condições de mobilidade e redução tarifária, já em vigor, com âmbito de aplicação a todos os modos de transporte e todos os operadores, com um valor máximo de 30 no Município e de 40 na região.

- Estabilizar a fonte de financiamento e reforçar os montantes afectos ao Programa de Redução Tarifária, com a constituição de uma Contribuição de Serviço Público de Transportes, sendo para ela deslocada a terça parte do valor da Contribuição de Serviço Rodoviário, sem aumento do ISP.

- Planear e concretizar um programa de investimento para o aumento da oferta em quantidade e qualidade com admissão de trabalhadores, aquisição, manutenção e modernização das frotas do serviço público de transportes, e uma política pública de parques dissuasores que articulem a oferta do transporte público e o transporte individual.

- No sector do Táxi apoiar a sua modernização e continuar a combater a liberalização, descontingentação, desregulamentação e concorrência desleal das multinacionais que promovem a actividade dos TVDE.

- Lançar um programa continuado de sensibilização para uma condução segura e para idêntico comportamento dos peões, a par de medidas de modernização da rede viária que incrementem a segurança.

Nas telecomunicações:

- A reconstrução de um forte sector público, universal e de qualidade, com a recuperação do controlo público das telecomunicações, comunicações, serviço postal e respectivas infraestruturas.

- A fiabilidade e segurança dos serviços, investigação e desenvolvimento tecnológicos nas várias plataformas e realizar os investimentos de carácter funcional e tecnológico necessários.

- Reconstituição da rede pública postal, a partir da recuperação da propriedade pública dos CTT, com a reabertura de estações dos correios e centros de distribuição em todo o território.

- A melhoria dos padrões de qualidade exigidos nos serviços de comunicações postais e comunicações electrónicas.

2.3.5. Uma política para defender o equilíbrio ambiental e combater a mercantilização da Natureza

Portugal precisa de uma viragem na política ambiental. Uma política ambiental visando a preservação do equilíbrio da natureza e dos seus sistemas ecológicos, que respeite o «princípio da precaução» face a novas ameaças e problemas, contribuindo para prevenir os efeitos das alterações climáticas e que garanta a democratização do seu acesso e usufruto, combatendo a mercantilização do ambiente e a sua instrumentalização ideológica e política pelo grande capital. O que exige:

- O reforço dos meios e estruturas do Estado, como o ICNF e a APA, para desenvolver uma verdadeira política de defesa do equilíbrio da Natureza.

- A aposta na Utilização Racional da Energia e no aumento de eficiência energética e a promoção de alternativas energéticas de domínio público, com vista a diminuir a dependência dos combustíveis fósseis.

- Uma política de redução de emissões de gases de efeito de estufa (GEE) com base num normativo específico, definido e acompanhado pela ONU, e a progressiva transição para tecnologias hipocarbónicas, respeitando o direito ao desenvolvimento e estabelecendo esforços diferenciados para alcançar os objectivos fixados.

- A promoção do transporte público, em detrimento de soluções que apontam para manter o paradigma do transporte individual privado (desta vez em modo eléctrico).

- A defesa de políticas comerciais, nomeadamente na UE, segundo os interesses, as especificidades e as necessidades de cada país, orientando-as para a complementaridade e não para a competição (entre produções, produtores e países), e a reversão das políticas desreguladoras e liberalizadoras do comércio mundial. O que coloca a necessidade de uma radical alteração das regras da OMC e a sua colocação sob a tutela da ONU.

- Uma política de recursos hídricos que, na base de uma nova Lei da Água, garanta o acesso à sua utilização como direito inalienável das populações, preserve e aprofunde a sua gestão pública e impeça a sua mercantilização.

- Uma política de resíduos que privilegie a sua redução e promova a reciclagem e reutilização, adoptando soluções públicas, racionais e integradas de tratamento dos resíduos, com base nos interesses das populações e na avaliação dos impactos ambientais.

- Uma gestão democrática das Áreas Protegidas e orientada para a valorização do património genético paisagístico e das actividades tradicionais que faça corresponder a cada Área Protegida de âmbito nacional uma unidade orgânica de direcção intermédia da Administração Central, dotada de meios humanos e técnicos.

- O combate à obsolescência programada, utilizada em grande escala pelas multinacionais, contrariando a redução do período de vida útil de bens e equipamentos.

- O apoio a soluções produtivas menos poluentes e à utilização de materiais reutilizáveis e reclicláveis.

- O investimento na investigação científica e no desenvolvimento da tecnologia visando a evolução dos meios de produção e uma actividade económica cada vez menos poluente, com a rejeição do patenteamento da vida e dos organismos geneticamente modificados.

2.3.6. O desenvolvimento regional para um território equilibrado

O desenvolvimento regional e o ordenamento do território que assumam a integração de políticas sectoriais indispensáveis a um desenvolvimento sustentado e à coesão territorial, ao equilíbrio entre o litoral e o interior, entre o mundo urbano e o mundo rural exigem:

- Um desenvolvimento que potencie as riquezas naturais do País, numa gestão democrática, planificada e racional dos recursos com a promoção e elevação da qualidade de vida das populações.

- O desenvolvimento de políticas para as cidades e áreas metropolitanas que privilegiem a reabilitação e a renovação urbanas, que invertam processos de degradação ambiental e contrariem e corrijam o carácter monofuncional nas relações centro-periferia.

- A promoção de políticas de defesa e valorização do mundo rural e das regiões do interior e insulares, em particular com políticas de investimento adequadas (Orçamentos do Estado e Portugal 2030), o cumprimento de obrigações de serviço público (serviços de saúde e educação, serviços financeiros, transportes, comunicações, telecomunicações, energia, e outros) e a correcção do desenvolvimento desigual.

CAPÍTULO 3 - VALORIZAR OS TRABALHADOREs, Avançar nos direitos e na melhoria das condições de trabalho

A luta dos trabalhadores e a decisiva intervenção do PCP na Assembleia da República tornaram possível, nesta legislatura, a reposição de rendimentos e direitos e a aprovação de outras medidas importantes. Apesar dos avanços alcançados, os baixos salários e a precariedade, o ataque à contratação colectiva colectiva através da regra da caducidade e as desigualdades sociais persistem como traço geral do mundo do trabalho. O PS aliou-se mais uma vez ao PSD e ao CDS para regredir na legislação laboral e também travou a progressão nas carreiras e recusou os aumentos salariais na Administração Pública.

3.1. Promover o pleno emprego

Foi criado um número significativo de postos de trabalho. Mas estamos ainda longe de potenciar o principal recurso de que o País dispõe – a sua força de trabalho.

Os jovens trabalhadores, ou não conseguem emprego (em 2018, a taxa de desemprego dos jovens até 24 anos foi três vezes superior à taxa de desemprego global), ou trabalham com contratos precários ou relações de trabalho precárias. O desemprego de longa duração atinge quase metade dos desempregados e só um em cada três têm acesso às prestações de desemprego. São milhares os trabalhadores que não têm segurança no emprego nem estabilidade familiar e vivem sem perspectiva de futuro.

O desemprego e a precariedade não são inevitáveis. É fundamental romper com a precariedade e promover uma verdadeira política de pleno emprego.

O PCP assume o compromisso em defender:

- A adopção de uma política de Estado que promova a produção nacional, garantindo simultaneamente, o pleno emprego;

  • A criação de postos de trabalho, por via da recuperação do controlo das principais empresas e sectores estratégicos, colocando-os ao serviço do desenvolvimento da economia nacional, bem como a prestação de apoio adequado às micro, pequenas e médias empresas;
  • Uma política de emprego com direitos para todos, incluindo programas de emprego e de formação ajustados às condições e qualificações dos desempregados, e o desenvolvimento de programas de emprego e de formação dirigidos a pessoas com necessidades específicas, de modo a inserir, no trabalho, pessoas com deficiência e outros grupos com dificuldades de inserção;
  • O combate aos despedimentos, com revogação das leis e medidas que visam facilitá-los; acompanhamento efectivo, por parte do Estado, dos processos de insolvência e dos planos de recuperação de empresas;
  • A promoção de emprego para a juventude, com salários dignos, direitos, estabilidade e perspectiva de carreira profissional;
  • A melhoria das condições de acesso e dos montantes do subsídio de desemprego e alargamento do subsídio social de desemprego.

3.2. Aumentar significativamente os salários. Valorizar as carreiras profissionais

Portugal é um dos países da UE em que é maior a desigualdade, entre capital e trabalho, na distribuição do rendimento. Sem uma política de desenvolvimento que articule as dimensões económicas e sociais, continuaremos a ser um País com profundas injustiças na distribuição da riqueza.

Só é possível inverter esta situação com um aumento geral dos salários.

O PCP preconiza um modelo de desenvolvimento que assenta na valorização do trabalho e numa forte subida dos salários, em articulação com o estímulo à actividade económica e à produção nacional, o combate à pobreza e à melhoria das condições de vida, o reforço da Segurança Social e o aumento das receitas do Estado para financiar o investimento nos serviços públicos e no desenvolvimento do País.

Trabalho precário e efectivo em 2018

Fonte: Inquérito trimestral ao Emprego (INE).
Nota: Para além dos trabalhadores com contrato individual a termo e com outras formas de emprego, considera-se ainda que 42,5% dos trabalhadores por conta própria isolados são trabalhadores precários

O PCP assume o compromisso em defender:

  • O aumento geral dos salários para todos os trabalhadores, com um significativo aumento do salário médio, a valorização das profissões e das carreiras e a elevação do Salário Mínimo Nacional para 850 €, no quadro de uma política global que dê resposta às necessidades dos trabalhadores e das suas famílias e garanta a melhoria da parte dos salários na distribuição do rendimento nacional;
  • A recuperação do tempo de serviço nas várias carreiras da Administração Pública, respeitando os compromissos assumidos nos O.E. para 2018 e 2019.

 

3.3. Colocar a ciência e a tecnologia ao serviço do País e dos trabalhadores

No sistema de produção capitalista os progressos da ciência e da técnica, nomeadamente no campo da chamada economia digital, aliada ao crescente avanço da robotização e automatização dos processos produtivos, têm sido usados para aumentar a exploração, dificultar o direito de associação sindical e atacar a contratação colectiva, tornando-se em instrumentos de violação de direitos.

Nas empresas onde são incorporados processos de automatização, incluindo as chamadas plataformas digitais, é crescente a precarização dos vínculos laborais, a redução ou estagnação dos salários reais, a intensificação da exploração e da desregulação, aumento do tempo e dos ritmos intensivos de laboração e horários indeterminados, que colocam os trabalhadores em situação de total disponibilidade para a empresa e degradam as condições de segurança e saúde.

A violação de direitos alarga-se ao uso intrusivo de vigilância electrónica para controlar os movimentos dos trabalhadores e a execução do seu trabalho quer no interior quer no exterior das empresas, mas também está presente no registo, tratamento e uso ilegítimo de dados pessoais, incluindo informações sobre a saúde e outros aspectos da vida privada.

 

3.4. Reduzir o tempo de trabalho. Combater a desregulação dos horários

Com a aprovação da proposta do PCP que repôs e fixou o período normal de trabalho nas 35 horas semanais na Administração Pública, os trabalhadores obtiveram uma grande vitória.

É preciso concretizar também esta redução no sector privado, a qual constitui uma medida justa para os trabalhadores e um importante contributo para criar postos de trabalho e combater o desemprego.

A fixação dos horários e o seu cumprimento, o respeito pelos tempos de descanso e a sua articulação com a vida familiar, pessoal e profissional, também assumem grande actualidade, porque são alvos de maior ataque por parte do grande capital.

A intensificação dos ritmos de trabalho e a imposição de múltiplas formas de desregulação dos horários têm vindo a acentuar-se. Segundo dados do Inquérito ao Emprego, apurados em 2018, quase metade dos assalariados (47%) trabalhava por turnos, ao serão, noite, Sábado ou Domingo, ou numa combinação entre estes tipos de horário.

O PCP assume o compromisso em defender:

  • A redução do horário de trabalho, fixando como máximo as 35 horas semanais para todos os trabalhadores, sem perda de remuneração nem de outros direitos;

- A consagração dos 25 dias úteis de férias para todos os trabalhadores;

  • Medidas efectivas para combater a desregulação dos horários, respeitando os seus limites diários e semanais e os dois dias consecutivos de descanso semanal, em regra, ao sábado e ao domingo; a revogação das normas que instituem sistemas de bancos de horas e de adaptabilidade; o combate ao prolongamento da jornada diária, ao abuso do trabalho extraordinário e à prestação de trabalho não remunerado;
  • A limitação legal do trabalho em regime de turnos e de laboração contínua às actividades de natureza social impreterível ao funcionamento da economia, atendendo ao direito à articulação da vida profissional com a vida familiar e aos riscos para a saúde dos trabalhadores.

 

3.5. Assegurar o direito à estabilidade e segurança no emprego. Combater a precariedade.

A precariedade provoca graves prejuízos na vida dos trabalhadores e das suas famílias: menos salário e maior exposição à pobreza (40% dos novos contratos são celebrados com base no salário mínimo); mais tempo de trabalho e menos direitos; dificuldades em articular a vida profissional com a vida familiar, redução da natalidade e emigração forçada, sobretudo jovem. Os trabalhadores nesta situação também estão mais expostos aos riscos profissionais.

Na generalidade das actividades do sector privado, os contratos com termo já representavam, em 2017, mais de um terço do total. Entretanto, o Governo do PS insiste na promoção da precariedade com a aprovação de uma lei que, entre outras malfeitorias, a torna ainda mais abrangente, com o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias e a generalização dos contratos de muito curta duração a todos os sectores de actividade.

Na Administração Pública, o Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários (PREVPAP) ficou longe de permitir integrar os trabalhadores com vínculos precários que respondem a necessidades permanentes dos serviços públicos.

O PCP assume o compromisso em defender:

  • A adopção de um Plano Nacional de Combate à Precariedade, Trabalho Clandestino e Trabalho Ilegal;

- O reforço da fiscalização no combate ao trabalho não declarado e subdeclarado, ao abuso e ilegalidade na utilização de medidas de emprego, como os estágios e os contratos emprego-inserção para a substituição de trabalhadores, bem como a limitação dos contratos de trabalho de duração determinada a necessidades temporárias, devidamente comprovadas;

- O combate à precariedade resultante do trabalho temporário e a adopção de medidas de protecção dos trabalhadores em situação de trabalho temporário ou externalização de serviços, de modo a garantir que quem beneficia do trabalho tem de assumir o vínculo laboral e todos os deveres inerentes;

-O reforço da intervenção e eficácia da ACT no combate ao trabalho ilegal, clandestino e às redes que exploram trabalhadores imigrantes, assegurando a legalização do seu trabalho, a igualdade de tratamento e o respeito pelos direitos laborais e sociais. Conferir força executiva a todas as decisões condenatórias que emite, garantindo a defesa dos trabalhadores;

- A limitação dos apoios do Estado às empresas, incluindo o acesso a fundos comunitários, face ao cumprimento dos direitos dos trabalhadores;

- O combate à precariedade e contratação de todos os profissionais em falta nos serviços públicos.

 

3.6. Direitos individuais e colectivos

As alterações para pior da legislação laboral desequilibram, ainda mais, as relações de trabalho e promovem sucessivos ataques aos direitos dos trabalhadores.

São exemplos de violação de direitos:

- Violação de direitos de maternidade e paternidade, tais como o direito à amamentação e aleitação e à opção por horários que facilitem a articulação da vida profissional com a vida familiar;

- Desrespeito pelo limite do período normal de trabalho diário e semanal, ou pelo descanso semanal e entre jornadas de trabalho, sem pagamento do trabalho suplementar;

- Repressão e perseguição patronal, com violação dos princípios legais e constitucionais de protecção da integridade física e moral e da dignidade dos trabalhadores e seus representantes nos locais de trabalho.

Só uma legislação do trabalho que prossiga o fim para o qual foi criada – de protecção dos direitos dos trabalhadores – é compatível com uma perspectiva progressista e com o desenvolvimento económico e social.

O PCP assume o compromisso em defender:

- A revogação das normas gravosas do Código do Trabalho e da Lei do Trabalho em Funções Públicas, atinentes à desregulação dos horários de trabalho, aos despedimentos colectivos e extinção de postos de trabalho sem qualquer controlo, e ao despedimento por inadaptação, entre outras;

- O cumprimento efectivo das normas do trabalho, legais e contratuais, através do reforço dos meios e da intervenção da ACT e de outros órgãos de fiscalização competentes, e da alteração do regime aplicável às contraordenações laborais;

- A reposição, nomeadamente: do pagamento do trabalho suplementar e prestado em dia de descanso semanal e feriados; dos montantes e regras de cálculo das compensações por cessação do contrato de trabalho e de indemnização por despedimento, garantindo o mínimo de um mês de retribuição base e diuturnidades por cada ano completo de antiguidade, sem limite máximo de anos; do período de trabalho nocturno das 20h às 7h;

- A efectivação do direito à formação contínua, instrumento essencial de actualização profissional e reforço das qualificações e competências;

- O efectivo exercício do direito de greve, combatendo, nomeadamente, abusos e arbitrariedades no recurso aos serviços mínimos e outros despachos administrativos anti-greve;

- O cumprimento dos direitos atribuídos às organizações dos trabalhadores, a todos os níveis e, particularmente, quanto à actividade sindical nos locais de trabalho;

- Uma justiça do trabalho mais célere e acessível, com a melhoria do funcionamento dos tribunais de trabalho e da formação específica dos magistrados, melhores instalações e redução das custas judiciais;

- O reforço da posição das estruturas representativas dos trabalhadores nos processos de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial, Processo Especial de Revitalização e de Insolvência, com prioridade aos créditos dos trabalhadores;

 

3.7. Igualdade no trabalho e não discriminação

A realidade da discriminação no trabalho é multifacetada, abrangendo, entre outras, as seguintes discriminações:

- Baseadas em natureza do vínculo laboral, actividade sindical, opções políticas, ideológicas e partidárias;

- Discriminações específicas sobre as mulheres, violação de direitos de amamentação e aleitamento, discriminações salariais directas e indirectas;

- Decorrente do exercício de direitos de maternidade e paternidade;

- Sobre pessoas com deficiência, colocando grandes obstáculos à entrada no mundo do trabalho;

- Em razão da idade, etnia, nacionalidade, orientação sexual e condição clínica dos trabalhadores;

- Decorrentes do tráfico de pessoas para fins de exploração laboral, em particular de trabalhadores migrantes, com violação de direitos fundamentais.

O PCP assume o compromisso em defender:

- A igualdade no trabalho e o combate a todas as formas de discriminação;

- A adopção de uma estratégia de inclusão de pessoas com deficiência no mundo do trabalho;

- A concretização da igualdade entre homens e mulheres no trabalho em todas as suas dimensões: salários e remunerações, cumprimento dos direitos de maternidade e paternidade, não discriminação em matéria de progressão na carreira;

- A penalização efectiva das práticas e comportamentos repressivos nos locais de trabalho sobre trabalhadores e seus representantes, incluindo a criminalização das entidades patronais, a inversão do ónus da prova e impedimento de participação em concursos públicos.

3.8. Melhorar as condições de trabalho. Prevenir as doenças profissionais e a sinistralidade laboral

O número de acidentes de trabalho continua a ter uma dimensão preocupante. A precariedade e a intensificação dos ritmos do trabalho estão intrinsecamente ligadas à ocorrência de acidentes de trabalho e de doenças profissionais.

As alterações que foram introduzidas no Código do Trabalho, no sentido de maior precarização laboral e desregulação dos horários põem em causa o direito fundamental dos trabalhadores à saúde e segurança no trabalho.

O PCP assume o compromisso em defender:

- A melhoria das condições de trabalho e a eliminação dos factores de risco de acidentes e doenças profissionais; uma maior fiscalização no cumprimento da legislação e a revisão do quadro sancionatório, incluindo o aumento das coimas.

- A aplicação de uma estratégia nacional que não esteja subordinada à competitividade das empresas, com a aplicação de um Programa Nacional de Prevenção de Acidentes de Trabalho e Riscos Profissionais com medidas específicas por sector, de vigilância, prevenção de acidentes e doenças profissionais e promoção da saúde e segurança no trabalho.

- A criação e funcionamento dos serviços de segurança e saúde nos locais de trabalho, acompanhada de medidas que tornem efectiva a obrigatoriedade legal de formação e informação aos trabalhadores sobre os riscos no trabalho.

- A redução dos horários de trabalho, eliminação dos mecanismos de desregulação dos horários a limitação do trabalho nocturno e em regime de turnos e de laboração contínua; a adopção de medidas de compensação e melhoria das condições de trabalho nesses regimes, bem como, para os trabalhadores de profissões de desgaste rápido.

- Reforço do acompanhamento médico regular a todos os trabalhadores, e em especial aos trabalhadores por turnos e em profissões de desgaste rápido.

- A aplicação de um subsídio específico de insalubridade e risco, e outras medidas compensatórias, na Administração Pública e no sector privado.

- A avaliação dos mecanismos necessários a garantir uma efectiva e eficaz tutela jurisdicional no âmbito da Administração Pública, considerando a equiparação ao regime aplicável aos acidentes de trabalho e doenças profissionais no sector privado, especialmente quanto a assegurar o direito a uma justa reparação.

- A aplicação do princípio de reparação por inteiro dos danos causados por Acidentes de Trabalho ou Doenças Profissionais e a isenção de custas judiciais para os sinistrados do trabalho.

- A reposição da acumulação, para os trabalhadores sinistrados do trabalho das prestações por incapacidade permanente com a parcela do salário correspondente à percentagem do dano sofrido.

- A reposição, para os trabalhadores em funções públicas, da possibilidade de acumulação das prestações por incapacidade permanente com a parcela da remuneração correspondente à percentagem de redução da capacidade de ganho.

- Reforçar os meios técnicos e humanos do Departamento de Protecção da Segurança Social contra os Riscos Profissionais, salvaguardando os direitos de avaliação, certificação e reparação dos trabalhadores vítimas de doenças profissionais.

- A revisão do regime de reparação de acidentes de trabalho e de doenças profissionais, eliminando designadamente a remição obrigatória das pensões por incapacidade permanente inferior a 30% e a indexação de todas as prestações ao Salário Mínimo Nacional e não ao IAS, dado o seu carácter de rendimentos substitutivos do trabalho.

- O recálculo das prestações suplementares para assistência a terceira pessoa atribuídas aos sinistrados do trabalho ao abrigo da Lei nº 2127/65, de 3 Agosto.

CAPÍTULO 4 - Elevar a qualidade de vida, Investir nos serviços e funções sociais do Estado

4.1. A defesa do Serviço Nacional de Saúde e uma política de saúde ao serviço dos portugueses

O Serviço Nacional de Saúde constitui-se como factor e condição decisiva da garantia do acesso generalizado do povo português ao direito à saúde. O progresso imenso em indicadores de saúde, reconhecidos internacionalmente, que o País conheceu após a Revolução de Abril – redução da mortalidade infantil, aumento da esperança de vida, cobertura do território nacional com cuidados de saúde – é expressão directa da criação e institucionalização do Serviço Nacional de Saúde.

Décadas de política de direita de PS, PSD e CDS-PP fragilizaram o Serviço Nacional de Saúde conduziram à redução e encerramento de serviços de saúde, limitaram o acesso a cuidados de saúde e transferiram custos para a população.

O acesso a cuidados de saúde no âmbito da ADSE, ADM, SAD/PSP e SAD/GNR está actualmente refém de prestadores privados e em acelerada degradação.

O PCP reafirma que com só uma política que respeite a Constituição da República e o reforço do SNS é possível prestar a todos os cuidados de saúde de que necessitem.

O PCP defende:

- O desenvolvimento do SNS como serviço público, universal, geral e gratuito, eficiente, eficaz e de qualidade, mantendo-se o Estado como prestador geral e universal de cuidados de saúde.

- O adequado financiamento do SNS; a cobertura de todo o território; a construção das unidades de saúde em falta; o fim das taxas moderadoras; a garantia de transporte gratuito de doentes não urgentes.

- A gestão pública de todas as unidades do SNS com a eleição democrática para todos os órgãos de direcção técnica, planeamento da rede pública prestadora de cuidados de saúde, assegurando a proximidade das unidades de saúde às populações e a articulação em Sistemas Locais de Saúde dos Cuidados de Saúde Primários (CSP), Hospitais e Unidades de Cuidados Continuados e Paliativos (UCC/P) para assegurar maior rapidez no atendimento, melhores cuidados e maior conforto para os doentes.

- A garantia da continuidade e coerência dos cuidados prestados com apoio em suporte informático adequado e a efectiva articulação entre os serviços de saúde e da Segurança Social.

- A reformulação da rede de serviços de urgência, articulando Hospitais, a rede de CSP e o INEM de forma a assegurar a plena cobertura territorial das valências necessárias, o seu reforço em meios humanos e materiais assegurando pelo menos um serviço de urgência básica e de transporte urgente de doentes de 24 horas em cada concelho, e o alargamento do horário de atendimento ambulatório nos CSP e Hospitalares para consultas médicas de Clínica Geral e Especialidades e atendimentos de Enfermagem.

4.1.1. Garantir Cuidados de Saúde Primários (CSP) acessíveis e de qualidade

- Atribuição de médico e enfermeiro de família a todos os utentes e a progressiva redução de lista de utentes por médico e por enfermeiro de família de acordo com as recomendações da OMS.

– A reorganização dos Centros de Saúde numa base concelhia assegurando que possuam os meios técnicos e humanos necessários ao cumprimento da sua missão, garantindo a autonomia financeira e administrativa dos CSP e a adopção das soluções que melhor garantam as condições de equidade de acesso dos utentes.

- A realização de consultas com médicos especialistas de Pediatria e Obstetrícia e de outras consultas hospitalares de triagem nos CSP e a atribuição aos CSP de recursos nas áreas de Medicina Dentária, Oftalmologia, Psicologia, Ciências da Nutrição, Medicina Física e de Reabilitação, Imagiologia, Análises Clínicas e para o exercício de Telemedicina.

- O reforço das Unidades de Cuidados na Comunidade (UCC) de modo a garantir a plena cobertura e em especial a grupos vulneráveis, a promoção da literacia em saúde, designadamente ao nível dos estilos de vida, dos primeiros socorros, da relação com o ambiente, no uso responsável de medicamentos e dos serviços de saúde, e o incentivo ao desenvolvimento de programas de promoção de saúde e de prevenção da doença.

4.1.2. Criar uma verdadeira rede pública de Cuidados Continuados e Paliativos

- O alargamento da capacidade de resposta pública tendo em vista uma efectiva cobertura nacional sem custo para os doentes, com o aumento do número e capacidade de resposta das equipas de cuidados continuados integrados que asseguram o apoio domiciliário e o reforço dos apoios aos cuidadores informais, assegurando a sua articulação com a área da saúde, formação e Segurança Social.

- Aumentar a capacidade de resposta pública da Rede Nacional de Cuidados Paliativos (RNCP), através do aumento do número de Unidades de Internamento em Cuidados Paliativos.

- Reforçar o número de Equipas Comunitárias de Suporte em Cuidados Paliativos, articuladas com as equipas da RNCP pela prestação de consultoria, assegurando assim a prestação de Cuidados Paliativos no domicílio.

- Reforçar o número de equipas inter-hospitalares de profissionais de diversas áreas, médicos, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, entre outros. Definir um plano de formação, para todos os profissionais de saúde, de sensibilização e sobre o uso de instrumentos de identificação precoce de doentes com necessidades paliativas.

4.1.3. Reforçar a resposta dos Hospitais do SNS

- Adopção de medidas para eliminar as listas de espera para Cirurgia, Consulta, Exames Complementares de Diagnóstico e intervenção Terapêutica; a dotação dos Hospitais com os trabalhadores em falta e com meios de diagnóstico e terapêutica, consumíveis e outro equipamento.

- Avaliação do risco de infecção hospitalar com identificação, programação e aplicação de medidas para o seu controlo e eliminação.

- Eliminação programada das Parcerias Público-Privadas (PPP) e a integração dos hospitais no Sector Público Administrativo (SPA).

- Reorganização da rede hospitalar centrada nas necessidades das populações, o aumento do número de camas de agudos, alargando a oferta nos Hospitais existentes e construindo novos hospitais e da capacidade de resposta em Hospital de Dia e Cirurgia de Ambulatório.

- Desenvolvimento das experiências de Hospital Domiciliário e de projectos piloto de Hospital de Alta Resolução e de Consulta Imediata por referenciação.

4.1.4. Promover a Saúde Pública

- A criação em todos os concelhos de Unidades de Saúde Pública (USP) com recursos humanos e materiais. O reforço do Programa Nacional de Vacinação. O desenvolvimento de programas de avaliação e controlo de doenças emergentes e de combate das doenças infecciosas. O desenvolvimento de programas de Promoção da Saúde no âmbito da actividade física, alimentação saudável, saúde mental, dos processos de envelhecimento e de prevenção da diabetes, das doenças cardiocerebrovasculares e oncológicas.

4.1.5. Valorizar o trabalho e os trabalhadores da saúde

- A regularização da situação contratual dos profissionais de saúde assegurando o vínculo público de nomeação definitiva e a substituição até ao fim da legislatura de empresas de trabalho temporário pela contratação directa de trabalhadores com vínculo público.

- A valorização profissional e salarial dos profissionais de saúde com recuperação integral das carreiras e a sua valorização, a realização de concursos públicos para progressão dos médicos na carreira, a adopção de medidas que assegurem o acesso dos internos à formação médica especializada, o incentivo à dedicação exclusiva, a consideração das questões específicas dos enfermeiros e outros profissionais, e a criação da Carreira de Técnico Auxiliar de Saúde.

4.1.6. Garantir a prestação de cuidados de Saúde Mental

- O aumento da dotação financeira para a Saúde Mental e o reforço dos recursos humanos que lhe estão dedicados. A criação de unidades de atendimento e intervenção em saúde mental nos CSP e a capacitação e integração social dos doentes através da reabilitação e apoio residencial na comunidade.

4.1.7. Proteger e promover a saúde dos trabalhadores

- O cumprimento da legislação que obriga a que todos os trabalhadores sejam garantidas condições de segurança e saúde no trabalho. A criação nos CSP de equipas de apoio aos sinistrados e portadores de doenças profissionais e à protecção e promoção da saúde nos locais de trabalho. A formação dos profissionais de saúde ocupacional.

4.1.8. Garantir o acesso de todos aos medicamentos

- A dispensa gratuita nas Unidades de Saúde do SNS e nas farmácias dos medicamentos para os doentes crónicos e para as famílias com carência económica e para doentes com mais de 65 anos. O aumento da disponibilidade dos medicamentos genéricos e criação do Laboratório Nacional do Medicamento. A criação de um modelo de comparticipação dos medicamentos que conduza à redução do seu custo para os utentes. A colocação de Farmacêuticos nos CSP. A revisão do Formulário Nacional do Medicamento.

4.1.9. Garantir os direitos dos utentes

- O acesso do utente à informação sobre o seu estado de saúde e os cuidados. Criação do estatuto do doente crónico. Criação de uma única tabela de incapacidade e funcionalidade em saúde que ponha fim ao actual regime de múltiplas tabelas e efectivo funcionamento dos órgãos de consulta das unidades de saúde do SNS e a participação das Comissões de Utentes na avaliação regular das respostas dos Serviços Saúde.

- Garantir os Direitos dos Beneficiários ADSE, ADM, SAD/PSP, SAD/GNR. Intervir de forma adequada no sentido de reduzir a actual dependência estratégica da ADSE, ADM, SAD/PSP e SAD/GNR em relação aos prestadores privados, garantindo a autonomia administrativa e financeira destes sub-sistemas e medidas adequadas para que se mantenham na esfera pública do Estado. O Estado deve agir, não só, mas também, pelo reforço do SNS, no sentido de garantir aos beneficiários da ADSE, ADM, SAD/PSP e SAD/GNR os direitos já alcançados.

4.2. Garantir o direito à Segurança Social para todas as gerações. Melhorar os serviços e a protecção social para todos.

O sistema público de Segurança Social, universal e solidário, resultante das contribuições dos rendimentos do trabalho, desempenha um papel central para assegurar as necessárias condições de vida quer para quem perdeu os seus rendimentos de trabalho, quer para quem se reformou ou ainda, no apoio e prestações sociais à generalidade da população, reclama uma gestão rigorosa, em benefício do Povo português.

Mais emprego, mais estabilidade laboral e melhores salários, são simultaneamente garantia de mais e melhor Segurança Social. Só assim será possível assegurar o direito à Segurança Social para todas as gerações como elemento central para a elevação das condições de vida dos trabalhadores e do povo e para o desenvolvimento do País.

4.2.1. Uma política alternativa – assegurar a substituição dos rendimentos do trabalho

- Consolidar e reforçar o Sistema Previdencial cumprindo os princípios de contributividade e de solidariedade intra e inter-geracional, para que este possa garantir as suas finalidades de protecção social e assegurar prestações substitutivas dos rendimentos do trabalho nas situações de desemprego, doença, invalidez, maternidade e paternidade e velhice.

- Melhorar a protecção social dos trabalhadores desempregados, alargando nomeadamente o período de atribuição e aumentando os seus montantes; a majoração de 25% do subsídio de desemprego e social de desemprego quando os dois membros do casal se encontram nesta situação e no caso de família monoparental; apostar na formação profissional para os trabalhadores desempregados; combater o recurso aos Contratos Emprego-Inserção e Contratos Emprego-Inserção + para preenchimento de necessidades permanentes.

- Garantir o direito à reforma e a pensões dignas para todas as gerações.

- Repor a idade da reforma aos 65 anos para todos os trabalhadores, travando a sua subida pela relação estabelecida com o aumento da esperança média de vida, salvaguardando os direitos dos abrangidos por regimes mais favoráveis; revogar o factor de sustentabilidade; rever as regras de atribuição da pensão nacional aos emigrantes, garantindo um valor mínimo em função do cumprimento do prazo de garantia.

- Garantir o acesso à reforma aos 40 anos de descontos, independentemente da idade e sem qualquer tipo de penalização; rever as regras de acesso à reforma antecipada para os desempregados de longa duração.

- Eliminar as penalizações na reforma dos trabalhadores que se reformaram antecipadamente e reuniam, à data da reforma, as condições actualmente em vigor para acesso à reforma sem penalizações; avaliar o alargamento do regime de pensões antecipadas para funções de elevado desgaste, como a dos trabalhadores em regime de turnos com prestação regular de trabalho nocturno; estudar as condições de acesso à reforma sem penalizações aos trabalhadores com deficiência.

- Reforçar as prestações familiares

- garantir o direito de todas as crianças ao abono de família, com valorização dos seus montantes; alargar os critérios de atribuição do abono pré-natal visando a sua universalização; alargar o tempo de licença obrigatória de maternidade. Alargar o período de licença de paternidade; garantir a decisão do casal sobre o período de gozo de licença parental de 150 ou 180 dias, em caso de partilha, com pagamento do vencimento a 100%; criar licença específica de prematuridade e para os demais casos em que o recém-nascido permanece internado por razões clínicas (com pagamento do subsídio a 100% com base na remuneração de referência).

- Aprofundar a legislação de protecção dos trabalhadores no sector público e privado, para situações de acompanhamento aos filhos em situações de doença crónica, situações de dependência e doenças raras. Alargar o número de dias para assistência aos cônjuges em situações de doença.

4.2.2. Garantir direitos básicos e promover a coesão social

Cumprir os objectivos do subsistema não contributivo, de protecção social de cidadania nos domínios da protecção familiar, solidariedade e acção social, assegurando direitos essenciais de subsistência através da concessão de prestações sociais em situações de comprovada carência económica e social. O que exige:

- Assegurar o reforço das transferências anuais do Orçamento do Estado para garantir o financiamento deste sub-regime, financiado por impostos e tendo por base o princípio de solidariedade nacional. Rever o mecanismo de «condição de recursos», com vista à reposição de critérios mais justos de acesso às prestações e apoios sociais. Melhorar e alargar as condições de acesso de diversas prestações sociais, designadamente do Subsídio Social de Desemprego, Complemento Solidário para Idosos e Rendimento Social de Inserção, bem como valorizar os montantes das diversas prestações e apoios sociais.

- Melhorar a protecção social para as pessoas com deficiência - garantir a gratuitidade do atestado multiusos e o reconhecimento de todos os documentos com valor legal e que atestem a incapacidade. Alargar a Prestação Social para a Inclusão às pessoas que tenham um grau de incapacidade inferior a 60% e que estejam em situação particularmente incapacitante, e às pessoas que tenham adquirido uma deficiência após os 55 anos, bem como assegurar o seu pagamento a 14 meses, de forma a recuperar as prestações correspondentes aos subsídios de férias e de Natal, sendo ainda de considerar a reavaliação dos seus montantes e percentagens de acumulação.

- Desenvolver medidas de apoio às pessoas em situação de dependência e aos cuidadores informais, enquadradas no desenvolvimento de uma rede de apoio com base nos serviços públicos, designadamente das áreas da saúde, trabalho e Segurança Social. Alargar o atendimento dos Balcões da Inclusão. Facilitar a requisição e acesso de produtos de apoio e ajudas técnicas.

- Realizar os objectivos de Acção Social no quadro das responsabilidades do Estado - definir a relação do Estado com as instituições de solidariedade social assente no apoio ao seu papel complementar na Acção Social e na Rede de Equipamentos e Serviços Sociais; corrigir a duplicação de competências e de funcionamento dos serviços, organismos e Instituto Público de Segurança Social; estabelecer um valor limite para as mensalidades dos utentes de equipamentos e estabelecimentos de acção social, apoiados pelo Estado (IPSS, Misericórdias e outras); reactivar equipamentos e estabelecimentos de acção social do ISS,IP sub-ocupados.

4.2.3. Melhorar a qualidade dos serviços prestados e aproximar a Segurança Social dos utentes

- Admitir os recursos humanos necessários, melhorar a formação e qualificação profissional para aumentar imediatamente a capacidade de resposta dos serviços. Assegurar a prestação do serviço em tempo útil, com qualidade e segurança com o necessário reforço dos serviços com meios humanos, técnicos e informáticos.

- Completar a informatização das carreiras contributivas de cada beneficiário. Garantir, estabilizar e concretizar a cooperação e apoio do Estado às actividades e projectos dos Centros de Cultura e Desporto da Segurança Social. Garantir o direito de informação aos beneficiários e aos cidadãos, nomeadamente a informação discriminada aos pensionistas do valor líquido das suas pensões e dos cálculos efectuados por parte do Centro Nacional de Pensões.

- Reforçar a informação sobre a Segurança Social em todas as vertentes, incluindo a transparência do Orçamento do Estado e da Conta da Segurança Social com a desagregação da informação que permita conhecer a situação financeira dos vários regimes e sub-regimes da Segurança Social e a publicação sem atrasos da Conta da Segurança Social; criação de um Sistema de Estatísticas da Segurança Social. Cumprir o direito de participação dos trabalhadores e das suas organizações representativas na definição das políticas da Segurança Social, designadamente no Conselho Consultivo do IGFSS.

4.2.4. Reforçar e ampliar o financiamento da Segurança Social

- Ampliar os meios financeiros do Sistema Previdencial através do aprofundamento da diversificação das suas fontes de financiamento. Promover um efectivo combate à evasão e dívida contributiva, incluindo prescrição das dívidas através de planos plurianuais específicos.

- Pôr fim à política de utilização das receitas da Segurança Social como instrumento de política económica. Promover uma gestão pública cuidada e criteriosa do FEFSS e promover o seu reforço por via da afectação, complementarmente, de 0,25% da receita de imposto a criar sobre as transacções financeiras e medidas que visem uma acumulação regular de reservas no FEFSS.

4.2.5. Uma estratégia nacional sobre as questões do envelhecimento – viver mais anos com saúde e bem-estar

Portugal apresenta um elevado índice de envelhecimento resultante da redução da natalidade, da emigração e do aumento da esperança média de vida. O aumento da esperança média de vida é uma importante conquista civilizacional, que exige uma estratégia nacional sobre as questões do envelhecimento assente: em políticas que assumam o aprofundamento dos direitos dos reformados, pensionistas e idosos; garantam que viver mais tempo signifique fazê-lo com qualidade, com autonomia económica, bem-estar físico, psicológico e social e combatam e previnam os riscos de pobreza entre idosos e promovam uma adequada protecção na doença e na dependência. São prioridades do PCP:

- Melhorar pensões e condições de vida dignas e investir no Serviço Nacional de Saúde para aprofundar as respostas que o envelhecimento coloca;

- Criar uma rede pública de equipamentos e serviços de apoio nas diversas valências e o apoio financeiro do Estado às actividades de âmbito cultural e desportivas;

- Alargamento da redução dos custos de transportes e valorização e apoio do papel do associativismo específico dos reformados, pensionistas e idosos.

4.2.6. Luta contra a pobreza e a exclusão social visando a sua erradicação

É preciso dar prioridade à luta contra a pobreza e a exclusão social visando a sua erradicação, adoptando medidas estruturais assentes no desenvolvimento económico e social. O PCP defende:

- Uma justa distribuição da riqueza aos trabalhadores e suas famílias, pela elevação dos seus rendimentos por via do aumento dos salários, combate ao desemprego e criação de emprego de qualidade. Consolidação do papel dos sistemas públicos de Segurança Social, de saúde e de ensino no combate às desigualdades sociais e à pobreza, e pela valorização das reformas e pensões. Promoção das medidas adequadas para o combate à pobreza infantil a par do reforço de instrumentos específicos de protecção em situações de risco social.

- Integrar no combate à pobreza e à exclusão social a garantia do direito a uma habitação condigna, a redução dos custos da habitação nas despesas das famílias ou a abolição das taxas moderadoras na saúde, entre outras.

- Adopção de medidas específicas para responder a situações de pobreza e exclusão social assentes na garantia de direitos básicos e no apoio para que tenham projectos de vida, com autonomia económica e social, sem prejuízo de medidas de emergência social para responder a situações agudas e imediatas.

4.3. Pessoas com deficiência – assegurar o acesso e o exercício dos direitos

Uma política alternativa que responda às necessidades especificas que decorrem da natureza da deficiência – motora, visual, auditiva ou intelectual – assumindo como uma questão estrutural a promoção do acesso de todas as pessoas com deficiência a direitos fundamentais, no respeito pela sua dignidade e condições de vida impõe:

- O reforço da resposta específica no plano do Serviço Nacional de Saúde, da Segurança Social e da Escola Pública, dotando-os dos meios necessários a uma resposta pronta e de qualidade.

- O combate a todas as formas de discriminação, às situações de pobreza e marginalização.

- A garantia de acesso ao direito ao trabalho, ampliando a oferta de formação profissional adequada, a valorização profissional e salarial, a adaptação funcional e do posto de trabalho. Criar respostas públicas adequadas aos jovens com deficiência após saída do ensino obrigatório.

- Implementar o Modelo de Vida Independente com a definição de objectivos e metas temporais.

- Assegurar o cumprimento da legislação sobre remoção de barreiras físicas e arquitectónicas, visando a acessibilidade na via e edifícios públicos, e nos transportes.

- O reforço de apoio social a crianças e jovens com necessidades educativas.

4.4. Habitação

O princípio inscrito no artigo 65º da Constituição da República Portuguesa continua por cumprir. Fruto da especulação imobiliária e financeira, o direito à habitação foi transformado num negócio e o preço das rendas tornou-se proibitivo para a generalidade dos trabalhadores. Milhares de famílias foram despejadas nos últimos anos, sendo empurradas para a periferia e para situações de habitação precária. O direito à habitação emergiu nos últimos anos como uma das principais preocupações da sociedade portuguesa. A aprovação da Lei de Bases da Habitação já em 2019, 43 anos após a entrada em vigor da Constituição da República Portuguesa, constitui um avanço se a ela corresponder o efectivo assegurar pelo Estado das responsabilidades, funcionamento e investimento indispensáveis à sua efectivação.

É necessário:

- Dotar a Administração Central dos instrumentos e meios necessários para o planeamento, administração e fiscalização do uso da habitação e ao desenvolvimento de políticas de habitação de âmbito e responsabilidade nacional.

- Mobilizar o património habitacional público, para programas de renda apoiada ou de renda condicionada, o combate à especulação com a recuperação de prédios devolutos, recolocando-os na oferta de habitação.

- Assegurar uma habitação adequada a todos, económica e fisicamente acessível, eficiente, resiliente, dando especial atenção ao factor de proximidade e ao reforço das relações espaciais do tecido urbano e às áreas funcionais adjacentes.

- Apoiar o movimento cooperativo e de organizações de moradores, na reabilitação urbana, auto construção, auto reabilitação ou acabamento de habitações. Aprovar um novo regime de arrendamento urbano que elimine a agilização dos despejos, designadamente com a revogação do «balcão dos despejos», e fixe um período mínimo de 10 anos para novos contratos de arrendamento excepto se requerido pelo arrendatário.

- Reforço do apoio ao Arrendamento Jovem com o aumento da verba do Orçamento do Estado de modo a assegurar a todos os que preencham as condições para que tenham pleno acesso; lançamento pelo Estado do Programa de Recuperação do Parque Habitacional Público.

- Fixação na legislação sobre renda social apoiada do critério do rendimento líquido e não do rendimento bruto para a fixação do seu valor.

Impedir penhora e execução da hipoteca sobre a habitação para pagamento de dívidas irrisórias ou em condições de favor à banca.

CAPÍTULO 5 - Avançar na educação, na ciência e na cultura, Valorizar a educação física e o desporto

5.1. A escola que defendemos: pública, gratuita, de qualidade, inclusiva e para todos

A educação é um direito fundamental e uma condição determinante para a emancipação individual e colectiva da juventude, da população em geral e dos trabalhadores em particular. É condição para o desenvolvimento económico e social do País. A sua concretização é inseparável da existência de uma Escola Pública, gratuita, de qualidade, inclusiva e para todos .

O PCP apresenta um programa que assume a educação como um vector estratégico para o desenvolvimento do País.

A educação tem de ser garantida por um sistema educativo que a valorize e ao ensino público, democraticamente gerido e dotado de objectivos, estruturas, programas e meios financeiros e humanos adequados. Só assim será possível concretizar o direito à educação e ao ensino, promovendo a igualdade de oportunidades de acesso e sucesso educativo a todos os portugueses e a todos os níveis do ensino, através de uma Escola Pública gratuita e de qualidade. O que exige:

- Aumento do investimento, como prioridade estratégica na Escola Pública, visando garantir a gratuitidade de todo o ensino público; alargamento da gratuitidade já consagrada aos manuais escolares às fichas de trabalho a toda a escolaridade obrigatória; implementação de um modelo verdadeiramente democrático de gestão das escolas e agrupamentos que observe os princípios da elegibilidade, colegialidade e participação; universalização da oferta pública e a consequente adequação da rede escolar, por via da expansão da rede pública onde seja necessário e expansão do sistema público de educação pré-escolar, articulado com a rede escolar do 1º ciclo, garantindo a universalidade da frequência a partir dos 3 anos; valorização das diversas vias de ensino, que devem ser colocadas em plano de igualdade no que respeita à sua dignidade e à sua possibilidade de prosseguimento dos estudos.

- Educação efectivamente inclusiva para todas as crianças e jovens dotando a Escola Pública dos recursos indispensáveis, designadamente, com a colocação de docentes e técnicos em número e com formação adequada; consagração como prioridade do combate ao abandono escolar e ao insucesso escolar e educativo, bem como à exclusão social e escolar, como prioridade política e área de intervenção prioritária, designadamente com: a redução significativa do número de alunos por turma em todos os ciclos de ensino; o aumento da acção social escolar, ao nível de montantes e de abrangência, em todos os níveis de escolaridade, garantindo, entre outros aspectos, transportes, alojamento e alimentação.

- A aprovação de novos modelos de avaliação dos alunos, assentes em princípios de avaliação contínua, incompatíveis com a existência de exames nos 9º, 11º e 12º anos, bem como a revisão do actual regime de provas de aferição nos 2º, 5º e 8º anos, rejeitando distorções que as transformam numa espécie de exames.

- O respeito pelos direitos dos trabalhadores da educação, com o combate a todas as formas de precariedade e a integração nos quadros de todos os trabalhadores com vínculos precários que satisfaçam necessidades permanentes das escolas/agrupamentos ou do sistema educativo; a contabilização de todo o tempo de serviço congelado aos professores, bem como a outros trabalhadores a quem o mesmo problema se coloca para efeitos de carreira ou, por opção, aposentação; a revisão do regime de recrutamento, selecção, mobilidade e contratação de pessoal docente na Escola Pública, pondo cobro às injustiças existentes, sendo respeitada a natureza nacional do concurso e a graduação profissional dos candidatos; a remodelação do actual regime de formação de professores, nas suas vertentes inicial, contínua e especializada, de maneira a contribuir para a elevação da qualidade educativa e do ensino; o reforço dos direitos dos docentes do Ensino Particular e Cooperativo, que tenha em conta a especial relevância para o interesse público da função que desempenham.

- A valorização e dignificação das carreiras dos trabalhadores da educação, com a reposição/aprovação de carreiras específicas para os trabalhadores de apoio educativo e a dotação das escolas de auxiliares de acção educativa, técnicos especializados e outros trabalhadores da educação, em número suficiente com vínculo estável e com formação adequada.

- A reversão do processo de transferência de competências para os municípios que para lá da desresponsabilização do Estado comprometerá o carácter universal da Escola Pública;

- A valorização e o reforço das respostas públicas de ensino artístico especializado, bem como o reforço da interligação educação/cultura; a aprovação de um modelo de financiamento adequado do ensino profissional e de um plano de educação e formação de adultos, e de um programa de formação ao longo da vida;

- A revogação do estatuto do aluno do ensino não superior, inclusão nos regulamentos internos das escolas dos direitos e deveres dos estudantes e aposta nos mecanismos de participação estudantil.

- Promoção do Ensino do Português no estrangeiro, no quadro da valorização e reforço do ensino do português – Língua materna junto das comunidades emigrantes, sendo assegurada a sua gratuitidade.

- Extinção da empresa Parque Escolar, assumindo o Ministério da Educação todas as suas responsabilidades na conservação e reabilitação do parque escolar, em obediência a um Plano Nacional que confira prioridade às situações de maior degradação e o retorno progressivo à gestão pública das cantinas e refeitórios escolares.

5.2. Ensino Superior – um direito de todos que é preciso concretizar

Para valorizar o Ensino Superior, o PCP propõe:

- Inverter o ciclo de subfinanciamento do Ensino Superior público, através de nova Lei do Financiamento, garantindo às instituições de ensino e investigação o orçamento necessário ao desenvolvimento das suas actividades e consagrar o fim do pagamento de propinas para todos os graus académicos e assegurar, simultaneamente, a existência das condições materiais e humanas adequadas ao funcionamento das instituições.

- Defender o carácter unitário do Sistema de Ensino Superior Público com soluções organizativas diferenciadas e âmbitos de intervenção pedagógica diversos, sem prejuízo das diferentes missões do Universitário e Politécnico, e revogar o Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior (RJIES) e garantir um quadro legal que valorize o papel do Ensino Superior Público no desenvolvimento económico, social e territorial e revogar o Regime Fundacional nas Instituições de Ensino Superior.

- Consagrar uma verdadeira gestão democrática das Instituições de Ensino Superior Público e garantir a participação e a gestão democrática das instituições, de acordo com a Constituição da República, envolvendo docentes, investigadores, estudantes e funcionários.

- Combater todas as formas de precariedade, procedendo à integração de todos os trabalhadores que suprem necessidades permanentes, mas mantêm vínculo laboral precário, ou simplesmente bolsa e assegurar o respeito pelas carreiras dos trabalhadores das Instituições de Ensino Superior e, designadamente, do direito à progressão.

- Reforçar a Acção Social Escolar directa, através do aumento do valor das bolsas de estudo e do número de estudantes elegíveis, e da acção social indirecta com a transferência do financiamento público adequado às universidades e politécnicos para assegurar serviços de alimentação, alojamento, transportes e apoio médico de qualidade e garantir apoios adequados a estudantes com necessidades educativas especiais.

- Promover um amplo debate nacional sobre a distribuição geográfica das instituições de Ensino Superior público, com ofertas formativas diversificadas, privilegiando uma efectiva rede pública, assegurando que nenhuma instituição pública seja encerrada; reforçar a rede de centros de investigação, criando as condições para a plena integração dos institutos politécnicos no sistema científico e tecnológico nacional.

5.3. Direito de todos à Cultura – um Serviço Público de Cultura

A estruturação de um serviço público de Cultura

A Cultura é um pilar da democracia. Exige uma política de forte responsabilidade e capacidade de acção pública. Requer a existência de um Ministério da Cultura digno desse nome, invertendo e rectificando a linha de esvaziamento e desresponsabilização da Administração Central. Com a reformulação das suas estruturas e quadros, dotados dos necessários meios orçamentais, técnicos, políticos e humanos, com capacidade e flexibilidade de intervenção tanto nos planos nacional, regional e local como no plano da articulação interministerial de políticas.

Constituem orientações:

- Estabelecer 1% do Orçamento do Estado para a Cultura, inserido no objectivo de alcançar progressivamente 1% do PIB e a contratação, com vínculo estável, dos trabalhadores em falta para os vários organismos públicos da Cultura; fim do Programa REVIVE, travando a alienação e concessão de bens patrimoniais do Estado, designadamente de património classificado, e realização de um programa nacional de emergência do Património Cultural devidamente calendarizado e financiado com vista à sua recuperação, salvaguarda e conservação; aumento dos apoios públicos às Artes e reformulação do modelo de atribuição de apoios.

O PCP defende:

- Valorizar os Museus, Palácios, Monumentos e Sítios Arqueológicos, conferindo-lhes todos os meios necessários ao cabal cumprimento da sua missão de serviço público, e dinamização da Rede Portuguesa de Museus e alargamento do regime de gratuitidade de acesso.

- Salvaguardar o carácter integralmente público da Cinemateca, valorizando todas as suas dimensões e, designadamente, as de arquivo e de laboratório fílmico e cabimentação em Orçamento do Estado de verbas destinadas à produção cinematográfica e ao funcionamento dos organismos públicos afectos a esta área; implementação de um verdadeiro Estatuto do Bailarino que confira efectivamente toda a dignidade legal e laboral à carreira dos bailarinos, designadamente, da Companhia Nacional de Bailado.

- Criar um programa de apoio às pequenas livrarias e editoras independentes; reforçar do Programa de Bolsas de Criação Literária e promover medidas para uma política do Livro e da Leitura e a valorização da Língua Portuguesa.

- Apoiar iniciativas destinadas a preservar a memória histórica da resistência e luta contra o fascismo.

- Defender o respeito pelos direitos digitais, contra a censura e a hipervigilância e em defesa da neutralidade da Internet, assegurando a não criminalização da partilha de conteúdos para fins não comerciais e a defesa do respeito pelos direitos de autor em ambiente ou suporte digital.

- Melhorar as condições de trabalho na cultura, combatendo a precariedade, defendendo a contratação colectiva e o trabalho com direitos, promovendo a participação dos trabalhadores da cultura na definição das políticas sectoriais e a constituição muito descentralizada de bancos de equipamentos e material técnico de luminotecnia e sonoplastia.

5.4. Um Sistema Científico e Técnico Nacional coeso e pujante

O conhecimento científico afirma-se, crescentemente, como uma força produtiva directa. Neste quadro, o desenvolvimento económico moderno apoia-se cada vez mais na intensidade de conhecimentos.

A revitalização, fortalecimento e expansão do sistema científico e técnico nacional exigem:

- A definição de uma política de Ciência & Tecnologia que atenda às necessidades e especificidades da economia nacional e consagre a intervenção efectiva da Assembleia da República na elaboração e avaliação das políticas de Ciência e Tecnologia e no acompanhamento da sua execução.

- A duplicação, até ao final da legislatura, do investimento por investigador ETI no sector público; a introdução de uma taxa reduzida de IVA para as aquisições de bens e serviços no âmbito de projectos de investigação e a adequação das normas da contratação pública.

- O recrutamento e formação de 10 mil técnicos e auxiliares de apoio à investigação e a reestruturação da Fundação para a Ciência e Tecnologia, incluindo a divulgação pública anual dos respectivos relatórios e contas .

- Revitalização e reorganização da rede do sistema de Laboratórios do Estado com a sua recomposição e alargamento; clara definição das respectivas missões; adopção do «contrato-programa» com o Estado de carácter plurianual como base de financiamento das despesas de investimento; garantia de financiamento público das despesas de funcionamento; autonomia de gestão administrativa e financeira, e de selecção e recrutamento de pessoal e a reafectação da sua tutela, com os correspondentes meios, aos ministérios em que sectorialmente actuam.

- Revogação do Estatuto do Bolseiro de Investigação e sua substituição por contratos de trabalho com valorização salarial e integração em carreira; combate a todas as formas de precariedade e defesa de efectiva integração de todos os trabalhadores que suprem necessidades permanentes no SCTN; explicitação da componente I&DE na fórmula de financiamento do Ensino Superior público e o efectivo respeito da autonomia científica e financeira das suas instituições na formulação e execução de projectos, a reintrodução das categorias de Estagiário e Assistente de Investigação no Estatuto da Carreira de Investigação Científica como categorias de formação de pessoal investigador; a valorização dos diversos trabalhadores da Ciência, com a aprovação de carreiras específicas (criação de Carreiras Técnicas de Apoio à Investigação, abertas a candidatos que possuam desde a escolaridade obrigatória até ao grau de doutor, e da Carreira de Operário Especializado ou Prototipista).

- Valorização da investigação fundamental livre em qualquer domínio, e das actividades de investigação no domínio das Ciências Sociais e Humanas, com o reforço dos meios que lhes são atribuídos.

- Criação de um Fundo para a Inovação Tecnológica empresarial financiado pelas empresas na proporção de 1% do respectivo VAB acima de 5 milhões de euros de volume de negócios anual, com co-gestão e co-financiamento públicos e a criação de uma Agência para o Desenvolvimento e Transferência de Tecnologias que promova e facilite a transferência para o tecido produtivo das descobertas e inovações dos Centros de Investigação e a resposta destes às necessidades das empresas; criação de um Programa Nacional de parcerias para actividades de investigação aplicada e de inovação de produtos e processos a executar por Micro, Pequenas e Médias Empresas, mediante a negociação de contratos de projecto entre empresas e instituições públicas de I&DE, com metas e prazos definidos e com financiamento público a fundo perdido.

- Fortalecimento do sistema estatístico nacional com a salvaguarda da sua independência financeira e técnico-científica e o reforço dos meios humanos e materiais do Instituto Nacional de Estatística (INE).

5.5. Educação Física e Desporto

O PCP reclama:

- A consideração da importância decisiva da Educação Física ao longo de toda a escolaridade, com instalações adequadas e seguras; criação de um plano de emergência para a real integração da Educação Física nas escolas do 1º ciclo do ensino básico e do ensino pré-escolar.

- Concretização de políticas de apoio ao chamado desporto adaptado, criando condições para a prática desportiva das pessoas com deficiência, para que nas escolas as crianças e jovens com necessidades especiais tenham as necessárias condições para a prática da Educação Física.

- Implementação de uma Campanha de Promoção do Desporto no Trabalho de forma a que as empresas procedam à integração de programas desportivos no seu funcionamento, como forma de elevação da qualidade de vida e de combate à doença profissional, ampliando o acesso à prática físico-desportiva.

- O papel insubstituível dos clubes desportivos e de todo o movimento associativo na promoção e desenvolvimento da prática desportiva federada, assegurando o apoio do Estado em meios materiais, humanos e financeiros; revogação do regime jurídico das federações para restabelecer a sua autonomia; o reconhecimento do valor social e cultural da prática desportiva de alto rendimento; a assunpção da função da medicina desportiva como elemento constituinte da política nacional de saúde.

- A garantia do cumprimento da regulamentação no desporto profissional, salvaguardando os direitos dos praticantes profissionais e a sua integração económica e social pós carreira e a promoção do acesso generalizado à formação de técnicos e dirigentes.

- A concretização de formas de apoio expressivo à investigação científica, em diferentes áreas disciplinares, para apoiar a orientação do processo de desenvolvimento desportivo e a avaliação dos seus impactos e o impulso ao investimento na criação de uma rede de infraestruturas desportivas, pública e privada, adequadas às distintas necessidades da Educação Física e do Desporto.

- Revogação do actual quadro de administração pública desportiva, com a criação de um serviço central de administração directa do Estado, dotado de autonomia.

CAPÍTULO 6 - Afirmar a democracia, cumprir a Constituição

6.1. Defender o Regime Democrático

São orientações do PCP:

- Opor-se aos propósitos de revisão constitucional e não tomar qualquer iniciativa de revisão constitucional, e se algum processo de revisão for desencadeado participará nele, com as suas próprias propostas, no sentido da valorização dos valores de Abril na Constituição no sentido do aperfeiçoamento da democracia política, económica, social e cultural.

- Contestar projectos de revisão das leis eleitorais que visem favorecer artificialmente a bipolarização entre PS e PSD e a diminuição do pluralismo da representação política, seja através da redução do número de deputados, seja através da criação de círculos uninominais, seja através da redução e manipulação da dimensão dos círculos existentes.

- Combater os projectos de eliminação da eleição directa e proporcional dos executivos municipais, e lutará pelo reforço da colegialidade dos órgãos autárquicos.

- Tomar a iniciativa de retomar a luta pela criação das regiões administrativas através da criação das condições indispensáveis para superar o bloqueio institucional que foi criado pela revisão constitucional de 1997 ao exigir um referendo obrigatório para a regionalização do continente.

- Reforçar os direitos dos trabalhadores e o exercício da liberdade sindical, bem como dignificar os mecanismos de democracia participativa, designadamente através do exercício do direito de petição, de iniciativa legislativa, de acção popular ou da participação no movimento associativo popular e estudantil.

6.2. A defesa do regime democrático exige também uma comunicação social pluralista, livre da tutela do poder político e do poder económico. Nesse sentido, importa pugnar pela regulação democrática dos media, pelo combate à precariedade laboral nos órgãos de comunicação social e pela dignificação dos serviços públicos de comunicação social (Rádio, televisão e agência LUSA) e de quem neles trabalha.

O PCP defenderá:

- Medidas para travar a concentração monopolista e o comando multinacional dos media, para assegurar uma informação com critérios deontológicos, o pluralismo e a igualdade de tratamento nos media, os direitos dos jornalistas e outros trabalhadores da comunicação social e defender o País do controlo, das imposições e da evasão fiscal das empresas tecnológicas e plataformas digitais multinacionais.

- A valorização do Serviço Público de Televisão e Rádio, com uma reestruturação profunda, uma gestão rigorosa e independente do poder político e económico, o financiamento adequado, os meios indispensáveis aos seus objectivos.

- O investimento e clarificação do controlo público da LUSA; investir modernizar e alargar a oferta pública da Televisão Digital Terrestre (TDT); retomar o porte pago da imprensa regional e o apoio efectivo à comunicação social regional e local.

- A consideração de um jornal diário de propriedade pública, que contribua para o rigor, o pluralismo e a valorização da língua, da cultura e da coesão social e territorial.

6.3. Um Estado para cumprir a Constituição

Portugal soberano, independente e desenvolvido, exige um Estado democrático, moderno e eficiente, baseado na participação popular, capaz de assegurar as funções de soberania e de garantir a concretização dos direitos económicos, sociais e culturais consagrados na Constituição.

O PCP terá como principais orientações:

- A oposição a falsas «reformas do Estado», no sentido da reconfiguração do Estado com o objectivo de servir os interesses do poder económico, através da entrega a privados das funções sociais do Estado, da transferência de encargos sociais para as autarquias locais sem os correspondentes meios materiais e financeiros, da alienação de funções económicas, sociais e políticas do Estado para o capital privado e para os órgãos da União Europeia.

- A defesa de uma administração e serviços públicos ao serviço do povo e do País, com: a melhoria e reforço do Serviço Nacional de Saúde, geral universal e gratuito; a afirmação da Escola Pública, gratuita e de qualidade e inclusiva; o desenvolvimento Cientifico e Tecnológico; o acesso à cultura e a defesa do património; a valorização da língua e da cultura portuguesas, o apoio à livre criação e fruição artísticas; a garantia da segurança dos cidadãos; o direito ao acesso à justiça.

- A exigência de uma governação rigorosa e planificada, dotado de uma Administração Pública eficiente, com os meios humanos e técnicos necessários de responder às necessidades, uma política fiscal justa e eficaz, contas públicas consolidadas, o combate ao desperdício, a dívida sustentável no médio e longo prazo, e uma política orçamental com intervenção positiva nos ciclos económicos e na melhoria das funções sociais do Estado.

6.4. Comunidades portuguesas

6.4.1.Os baixos salários, a falta de perspectivas de evolução nas carreiras profissionais, a precariedade, entre outros aspectos, frustram as aspirações de um futuro melhor, sobretudo para as novas gerações.

Apesar de uma diminuição do fluxo na emigração, milhares de portugueses continuam a procurar no estrangeiro a melhoria das suas condições de vida e de trabalho.

No sentido de adoptar políticas consistentes para as comunidades, o PCP defenderá:

- A aprovação de Planos de Diversidade, que garantam os mesmos direitos sociais e laborais oferecidos aos nacionais dos países de acolhimento e os direitos de reciprocidade entre os cidadãos portugueses no Reino Unido e os cidadãos ingleses em Portugal.

- O assegurar Serviços Púbicos essenciais - rede consular e rede do Ensino de Português no Estrangeiro – EPE). Uma política salarial para os trabalhadores consulares tendo em conta a disparidade das moedas e o nível de vida nos países de acolhimento e a diminuição da carga horária, para os trabalhadores em residências diplomáticas no exterior e o respeito pelos seus direitos.

- Uma política que promova a preservação e expansão da língua materna, no ensino de português no estrangeiro (EPE), desde logo com a eliminação da propina para o ensino secundário; garantir a gratuitidade dos manuais escolares.

- A revisão de acordos internacionais de Segurança Social, com vista a reforçar a protecção social de trabalhadores e suas famílias e capacitar os serviços competentes para uma resposta eficaz, incluindo os programas de Apoio Social a Idosos Carenciados (ASIC) e Apoio Social a Emigrantes Carenciados (ASEC); divulgar e respeitar as Convenções Internacionais para evitar a dupla tributação de rendimentos (CDT).

- Reconhecer o Conselho das Comunidades Portuguesas como órgão representativo dos portugueses que vivem no estrangeiro, pugnando pela sua autonomia e dotando-o de verbas para o exercício das suas funções.

6.5. Garantir os direitos dos cidadãos

O PCP defenderá:

- A criação pelo Estado das condições para a efectivação plena do exercício dos direitos, liberdades e garantias que a Constituição amplamente consagra.

- A prossecução de uma efectiva política de igualdade, pelo que importa reforçar medidas e orientações que combatam todos os tipos de discriminação.

- O combate a discriminações e preconceitos que persistem na sociedade, sejam de natureza racial, religiosa, de condição social ou de orientação sexual.

6.6. Por uma política de juventude integrada e transversal

A Juventude é uma realidade multifacetada, heterogénea, com formas de estar, dinâmicas sociais, hábitos de vida muito diferenciados.

Uma política integrada e transversal exige:

- A defesa da Escola Pública, Gratuita e de Qualidade, com a garantia do acesso a todos aos mais elevados graus de ensino, o direito de participação democrática e o direito a um Ensino Superior que elimine desequilíbrios e injustiças com o fim dos exames nacionais de acesso e a redução progressiva do sistema de numerus clausus;

- O combate decidido à precariedade laboral e o aumento dos salários, logo à entrada no mundo do trabalho; a assumida garantia do direito à habitação, com a intervenção do Estado;

- O apoio à criação e fruição culturais, com uma rede de espaços públicos para jovens criadores; a garantia do direito ao desporto escolar, mas também para lá da escola, não condicionado às lógicas mercantis;

- O combate às dependências e o estímulo a uma vida saudável; a garantia do direito pleno de cada jovem assumir as suas orientações sexuais; serviços de saúde dedicados aos problemas específicos;

- O apoio a todas as expressões do Movimento Juvenil, incluindo os movimentos informais, desburocratizando os processos de acesso; o reforço do Estado nas escolas (psicólogos, técnicos de educação sexual e de orientação vocacional), nos Centros de Saúde e Hospitais, (área do planeamento familiar e do tratamento de dependências) e nas estruturas para o Movimento Juvenil.

6.7. Cumprir os direitos das mulheres – viver, trabalhar, participar em igualdade

A política que o PCP preconiza, dá combate e previne a exploração laboral as desigualdades, discriminações e violências que atingem as mulheres, assentando na garantia do exercício dos seus direitos, no trabalho, na família, na vida social, política, cultural e desportiva do país.

O PCP defende:

- Uma nova política para cumprir os direitos das mulheres de forma a efectivar o seu direito a viver, trabalhar e participar em igualdade e tendo como prioridades, assegurar o direito ao trabalho, valorizando a progressão profissional e a participação em todos os sectores de actividade, concretizar a igualdade salarial, o aumento do Salário Mínimo Nacional para 850 Euros e dos salários do conjunto dos trabalhadores.

- Promover a articulação da vida profissional, familiar e pessoal tendo como prioridades a redução do horário de trabalho semanal para as 35 horas para todos os trabalhadores, a par de uma adequada oferta de uma rede pública de equipamentos e serviços de apoio à família.

- Garantir o direito das mulheres a terem os filhos que desejam e o cumprimento dos direitos de maternidade e paternidade.

- Garantir o acesso de todas as mulheres, independentemente do seu nível de rendimento ou da região onde vivam, aos serviços públicos e funções sociais do Estado – saúde, educação, cultura, segurança social, habitação e justiça entre outros.

  • - Dotar os serviços públicos vocacionados para a promoção da igualdade com os recursos financeiros, técnicos e humanos que lhes permitam intervir de forma eficaz na detecção e combate das discriminações, e no cumprimento da legislação.
  • - Estimular o reforço da participação social e política das mulheres aos seus mais variados níveis e estimular a mudança de comportamentos e de mentalidades de mulheres e homens, para vencer preconceitos e estereótipos, promovendo a Informação sobre os direitos das mulheres na legislação nos diversos domínios, promovendo a elevação da consciência social de que a igualdade é não só uma justa aspiração das mulheres, mas também condição de progresso e democratização do País.

6.8. Imigração: combater desigualdades e discriminações

O PCP defende:

- Simplificação e desburocratização dos processos de regularização e de outros serviços, diminuição dos seus custos, e aumento da capacidade de resposta por parte SEF e medidas mais eficazes no combate aos traficantes de mão de obra imigrante e às redes de tráfico de pessoas.

- Ratificação, por Portugal, da Convenção Internacional da ONU, facilitando o direito ao reagrupamento familiar e a alteração da Lei da Imigração, nomeadamente no que se refere ao fim do sistema de quotas de acesso ao emprego.

- Adopção de medidas de defesa e promoção dos direitos sociais e laborais dos Imigrantes e que facilitem a sua integração na sociedade portuguesa defendendo a diversidade cultural e o combate a medidas securitárias e repressivas.

- Desenvolver programas comunitários que estreitem as relações sociais com a comunidade cigana e a inserção escolar das crianças e dos jovens, tendo por base os valores e princípios constitucionais.

6.9. Por uma Justiça democrática e acessível

6.9.1 O PCP continuará a lutar por maior investimento na Justiça

que permita dar resposta, adequada e premente, aos muitos problemas que se arrastam sem resolução, propondo, designadamente:

- A efectiva a melhoria do parque judiciário; que seja melhorada a capacidade de resposta dos Conselhos de Gestão das Comarcas, assegurando as condições de dignidade aos tribunais – órgãos de soberania, a quem neles trabalha e a quem a eles se dirige.

- A garantia da regularidade de admissão de profissionais de justiça, com vista a ultrapassar a crónica situação deficitária do quadro de magistrados judiciais e do Ministério Público, bem como de oficiais de justiça, guardas prisionais e funcionários de investigação criminal.

- A implementação de estruturas de apoio directo aos magistrados para que possam concentrar-se no essencial das suas funções e que aos funcionários judiciais seja reconhecido o seu trabalho e o papel decisivo no funcionamento dos tribunais, dotando a classe de um estatuto profissional digno.

- A tomada de medidas concretas de acrescida transparência na Justiça, através da melhoria efectiva da comunicação e relação com os cidadãos.

6.9.2. O PCP continuará a defender uma justiça para todos, acessível, célere e igualitária

, combatendo a insatisfação dos trabalhadores e do povo, que não consegue aceder aos tribunais para a defesa de direitos. O PCP compromete-se a:

- Dar firme combate ao processo de crescente desjudicialização e privatização da administração da justiça, incluindo o recurso à arbitragem nos litígios que envolvem o Estado, voltando a apresentar iniciativa legislativa que proíbe o Estado, e demais pessoas colectivas de direito público, de recorrer à arbitragem como forma de resolução de litígios em matéria administrativa e fiscal. Impedir a vulgarização e alargamento da utilização dos chamados meios alternativos de resolução de litígios, fora dos tribunais, formas encapotadas de privatização da justiça.

O PCP defende:

- A revisão do regime legal das custas judiciais, baixar significativamente o seu valor e alargar os critérios para a sua isenção, designadamente para os sinistrados em acidentes de trabalho e os trabalhadores com doença profissional.

- A revisão do regime do apoio judiciário de modo a aumentar o seu alcance, voltar a equacionar a criação de um serviço público para a defesa oficiosa e o patrocínio judiciário, e alargar e generalizar a rede de julgados de Paz e aumentar as reduzidas competências desse meio de composição de litígios. Actualizar anualmente o valor das remunerações devidas aos advogados no âmbito do apoio judiciário.

6.10. Um sistema prisional que cumpra a sua missão ressocializadora

O PCP continuará a lutar pela reversão da actual situação e defende:

- Políticas de efectiva humanização e reinserção social - melhoria das condições de habitabilidade das prisões, garantia de apoio médico e psicológico aos reclusos, e condições dignas de trabalho voluntário e de formação com vista à reinserção social.

- Medidas que valorizem, dignifiquem e proporcionem condições de trabalho e em segurança a todos os que trabalham no sistema prisional, onde se inclui a efectiva implementação de estatutos que correspondam às expectativas dos profissionais.

- Aprovação de uma Lei de Programação de Investimentos no Parque Prisional, na convicção de que este instrumento legislativo é essencial para garantir ao Sistema Prisional os meios financeiros indispensáveis para o eficaz cumprimento das suas missões.

6.11. Um firme combate à corrupção

Não ignorando avanços positivos, o PCP considera ser condição necessária para uma viragem consistente neste combate, uma política de efectiva dotação dos meios humanos e materiais afectos à investigação criminal, para além do respeito absoluto pela autonomia do Ministério Público nas investigações.

O PCP pugnará por:

- Dar resposta cabal e consistente à crónica carência dos mais elementares meios materiais e humanos, principal dificuldade que se coloca no trabalho diário do Ministério Público e da Polícia Judiciária.

- Dotar o Departamento Central de Investigação e Acção Penal das condições mínimas para uma resposta mais pronta e eficaz na luta anti-corrupção, particularmente o reforço do quadro de procuradores, a disponibilidade permanente de peritos e de apoio técnico especializado, adequados às exigências de maior celeridade dos processos de maior complexidade na investigação da criminalidade económica e financeira.

- Revalorizar a Polícia Judiciária, estancar a deterioração da situação operacional da polícia científica.

6.12. Uma política de Defesa Nacional e Forças Armadas ao serviço do interesses nacionais

O PCP defende:

- Assegurar a programação do investimento em infraestruturas militares com a melhoria das condições de habitabilidade do pessoal não permanente, criando um programa a isso dedicado, no sentido de, juntamente com a melhoria dos vencimentos, em particular dos praças, atrair e reter os jovens nas Forças Armadas.

- Promover a desgovernamentalização das Forças Armadas, alterando o processo de escolha das chefias militares, eliminando a possibilidade de a tutela nomear militares para cargos subordinados aos chefes militares e pondo fim à exigência de um despacho conjunto dos ministros da Defesa e das Finanças para efectuar anualmente as promoções.

- Garantir aos militares promovidos o pagamento do diferencial de remuneração para o novo posto desde a data de promoção efectiva em que a antiguidade é considerada e criar condições legislativas para que os militares possam participar na gestão do Instituto de Acção Social das Forças Armadas e da Assistência na Doença dos Militares, e nos processos negociais com a tutela sobre aspectos relativos às carreiras e vencimentos.

- Aprofundar a articulação entre o investimento em material e a dinamização do sector público das indústrias de defesa invertendo o seu processo de estrangulamento.

6.13. Refundar um Sistema de Informações que respeite a Constituição da República

O PCP defende a refundação de um novo Sistema de Informações, respeitador e em conformidade com a Constituição, que separe o SIS e o SIED e a sua dependência funcional, não permitindo a fusão entre actividades de segurança interna e defesa, impedindo a respectiva governamentalização, garantindo o controlo judicial, democrático e institucional, assegurando o direito à sua efectiva fiscalização, no quadro da Assembleia da República.

6.14. Forças e Serviços de Segurança ao serviço dos cidadãos

O PCP defende:

- Um novo quadro organizativo das forças e serviços de segurança no âmbito da preparação de uma Lei de Grandes Opções de Segurança Interna, com a criação da policia nacional unificando a PSP e a GNR e com natureza civil, e a extinção do cargo de Secretário-geral do Sistema de Segurança Interna.

- Uma lei de programação de investimentos nas forças e serviços de segurança que responda ao reforço dos meios de acompanhamento e fiscalização da sua execução que assegure a melhoria das respectivas instalações e equipamentos, dotadas do número de efectivos suficiente, assente no recrutamento, e adequando o dispositivo policial à missão fundamental de garantir a segurança e tranquilidade das populações.

- A consagração na lei da natureza civil de todas as forças de segurança, rever o estatuto profissional dos seus elementos de modo a garantir o respeito pelos seus direitos e reivindicações justas e a motivação para o exercício das suas missões, e conformar quaisquer disposições legais que existam com o princípio constitucional de não uso das forças armadas em missões de segurança interna. Neste contexto, importa ainda dotar a Polícia Marítima de uma Lei Orgânica.

- O respeito pelos direitos sindicais e sócio-profissionais e o reconhecimento do risco da missão dos profissionais das Forças de Segurança.

6.15. Por um Sistema de Protecção Civil capacitado e eficaz

As catástrofes e os dramas ocorridos nos últimos anos no País e pelo mundo fora mostram como é necessária uma política de protecção civil que, a par do combate aos incêndios, dê respostas de emergência a outras graves ocorrências.

O PCP defende:

- Uma política que privilegie a prevenção com informação à população, a promoção de estudos e a elaboração e cumprimento de cartas de risco e planos de emergência e socorro; incentive uma cultura de segurança e protecção civil e o ordenamento e prevenção eficaz da floresta portuguesa; dote a costa e portos portugueses de meios e equipamentos de prevenção, alerta e combate a acidentes e catástrofes.

- A resposta à eventualidade de calamidades ou catástrofes naturais, em particular da vulnerabilidade sísmica, com medidas a curto, médio e longo prazo, no quadro de programas de redução das vulnerabilidades, definindo prioridades em conjunto com a comunidade científica.

- Assegurar, com verbas do Orçamento do Estado o funcionamento de todo o sistema de protecção civil e bombeiros, com propostas de revisão da lei de financiamento dos corpos de bombeiros e de acesso ao gasóleo verde.

- O respeito pela autonomia das autarquias e valorizar todos os agentes de protecção civil, nomeadamente os bombeiros, reforçando a sua profissionalização, os meios e a formação, o direito a carreiras dignas e justas para os bombeiros profissionais e um Estatuto Social do Bombeiro onde se incluam incentivos ao voluntariado.

CAPÍTULO 7 - Portugal na Europa e no Mundo

Soberania, Desenvolvimento, Progresso, Paz e Cooperação

O aprofundamento da crise estrutural do capitalismo e da instabilidade e insegurança decorrentes da ofensiva imperialista colocam grandes desafios para os quais o País tem de estar preparado.

A adopção de políticas que permitam defender o direito ao desenvolvimento tem uma importância crescente e central na vida nacional. A emancipação social dos trabalhadores e do povo português é indissociável da defesa da soberania nacional.

7.1. Portugal e a integração europeia

A União Europeia permanece envolta numa profunda crise cujas causas radicam na sua natureza como instrumento de domínio do grande capital e das grandes potências. Apesar das tentativas de branqueamento das políticas e pilares fundamentais da União Europeia, nomeadamente por via das teses da «refundação», da «reforma do Euro» ou do «Pilar Social», a realidade evidencia que a União Europeia continua a dotar-se de um conjunto de instrumentos que a configuram como um bloco económico, político e militar de natureza imperialista.

Colocam-se como prioridades para Portugal face à União Europeia:

- A reconsideração do enquadramento institucional da União Europeia, nomeadamente por via de esforços concertados com outros Estados, visando a convocação de uma conferência intergovernamental para a revisão dos Tratados – começando pela revogação do Tratado de Lisboa, assim como a revogação do «Tratado Orçamental».

- A defesa dos direitos sociais e laborais como factores centrais da cooperação na Europa. A adopção de um Pacto de Progresso Social e pelo Emprego com objectivos concretos e mensuráveis que substituía políticas e estratégias como a Estratégia UE2020 ou o denominado «pilar social europeu».

- A renegociação das dívidas públicas, nos seus prazos, juros e montantes, estabelecendo encargos com o serviço da dívida compatíveis com o desenvolvimento económico e social de cada país.

- A revogação da União Bancária e a rejeição das imposições da Governação Económica, do processo do Semestre Europeu e do Pacto de Estabilidade, assim como a rejeição da instituição de «impostos europeus».

- A defesa de um programa de apoio aos países cuja permanência no Euro se tenha revelado insustentável, que preveja as devidas compensações e enquadre a saída negociada da moeda única.

- A preparação do País para o libertar da submissão ao Euro, de preferência em coordenação com outros Estados em situação semelhante e a recuperação de instrumentos de soberania monetária, cambial, orçamental e fiscal.

- A rejeição do aprofundamento do mercado único, nomeadamente o mercado único digital ou o mercado único de capitais, e das políticas visando a privatização e concentração de sectores estratégicos como os transportes aéreos e ferroviários, a energia ou os serviços públicos.

- A defesa de uma profunda revisão da Política Agrícola Comum, da Política Comum de Pescas, da Política de Comércio Externo e da política industrial da UE, e a adopção de um programa de adesão voluntária que vise a correcção de défices produtivos (designadamente nos planos agro-alimentar e energético) e tecnológicos.

- A defesa da retirada da política comercial da esfera das competências exclusivas da União Europeia e da revogação ou abandono dos acordos de livre comércio firmados pela UE, como o CETA ou o Acordo de Parceria Económica UE-Japão. Rejeição de quaisquer tentativas para retomar o projecto de Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP).

- A defesa do reforço do orçamento comunitário no Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027, que resulte de contribuições dos Estados, tendo por base o respectivo Rendimento Nacional Bruto (RNB), e da sua função redistributiva.

- A defesa do princípio da igualdade entre Estados – um país, um voto –, com o direito de veto em todas as questões consideradas de interesse fundamental para o desenvolvimento, a soberania e independência nacionais, e a defesa da representação permanente de cada um dos Estados, em pé de igualdade e com direito de voto, na Comissão Europeia.

- A rejeição da militarização da União Europeia, da «Política Europeia de Segurança e Defesa» (PESD) e da «Política Externa de Segurança Comum» (PESC), da «Cooperação Estruturada Permanente» (PESCO) de âmbito militar, do denominado «Exército Europeu»; e da utilização dos meios financeiros da União Europeia para o militarismo, a corrida armamentista e o intervencionismo.

7.2. Uma política externa de paz e cooperação aberta ao mundo

A Constituição da República Portuguesa pugna por uma política externa que respeite a independência nacional e a solução política e diplomática dos conflitos internacionais, a autodeterminação dos povos, entre outros importantes princípios, nomeadamente inscritos na Carta das Nações Unidas. Tem como prioridade:

- A defesa do interesse nacional e toma partido contra o imperialismo, o colonialismo e quaisquer outras formas de agressão, domínio e exploração nas relações entre os povos.

- O combate todas as formas de discriminação e defende os direitos dos povos - à vida, à saúde, à educação, à alimentação, a uma habitação digna, à paz, à segurança e ao emprego.

7.3. Democratizar a política externa portuguesa

- Uma política externa participada e democrática, com a articulação dos órgãos de soberania – Assembleia da República, Presidente da República, Governo – e ampla consulta das forças políticas e organizações sociais.

- Uma política externa diversificada que, rejeitando o alinhamento com blocos, ou grandes potências, tira partido das vantagens de Portugal para se adaptar à internacionalização da economia e profunda divisão internacional do trabalho, dando particular atenção ao desenvolvimento das relações com os PALOP, o Brasil e Timor Leste; com os países do Magrebe e da Bacia do Mediterrâneo; com a China e com a Índia; com a África do Sul, a Venezuela e outros países onde a emigração portuguesa é numerosa; com outros países da Europa – nomeadamente com Espanha – da Ásia e da América Latina.

- Uma política externa exercida por diplomatas escolhidos em função da sua real competência e espírito democrático, e não na base de critérios partidários discriminatórios.

7.4. Defender relações económicas justas, mutuamente vantajosas. O que exige:

- Diversificação das relações comerciais de Portugal, defesa de políticas comerciais orientadas para o benefício mútuo, respeitadoras dos interesses, especificidades e necessidades de cada país, orientando-as para a complementaridade e não para a competição (entre produções, produtores e países), rejeição das políticas de sanções, que visam o domínio económico, político e geoestratégico e defesa da reversão das lógicas prevalecentes no comércio internacional, rejeitando as linhas desreguladoras e liberalizadoras.

- Defesa, no âmbito da ONU, da adopção de um pacto de cooperação com vista à regulação dos mercados financeiros, à tributação das transacções financeiras, ao combate à evasão e elisão fiscais e à extinção dos paraísos fiscais.

- Participação em projectos multilaterais de benefício comercial mútuo, tirando partido de novas dinâmicas no comércio internacional, incremento das verbas destinadas à política de ajuda ao desenvolvimento e defesa da anulação das dívidas aos países menos desenvolvidos.

7.5. Defender a paz, a segurança e a amizade entre os povos. Combater o militarismo e a guerra

- Defesa dos direitos dos povos, dos princípios da Carta das Nações Unidas e do Direito Internacional. Respeito pela soberania dos Estados e pela sua integridade territorial. Não ingerência nos assuntos internos e respeito dos direitos dos povos à autodeterminação, ao desenvolvimento e à gestão soberana dos seus recursos e sectores estratégicos, e a defesa de uma reforma democrática da ONU.

- A dissolução da NATO, com a qual o processo de desvinculação do País das suas estruturas deve estar articulada, no quadro do inalienável direito de Portugal decidir da sua saída, e a defesa do princípio da solução pacífica dos conflitos internacionais, pondo fim e rejeitando a participação militar portuguesa em missões de ingerência e agressão contra outros povos.

- Defesa da redução dos gastos militares, do desarmamento e da proibição e destruição das armas nucleares e de destruição massiva e da limitação do uso de veículos militares não tripulados apenas ao território nacional do Estado que os possui.

- Defesa da publicitação obrigatória de todos os meios militares não convencionais, nomeadamente no âmbito da cibernética e novas tecnologias e da proibição da instalação no Espaço de meios militares.

7.6. Combate às causas das migrações em massa

- Defesa de uma política de migrações, nomeadamente no seio da União Europeia, respeitadora dos direitos humanos, incluindo os sociais e laborais, e de desenvolvimento dos povos e combate à instrumentalização das migrações e à abordagem militarista, nomeadamente da política de «Europa fortaleza».

- Combate às reais causas das migrações em massa, nomeadamente as políticas neocoloniais, os processos de ingerência externa e as guerras de agressão, o saque dos recursos naturais.