Mértola

A Mina veio à rua pela vitória da CDU

Jerónimo de Sousa em Mértola

Há iniciativas de campanha eleitoral que se distinguem das demais pelo ambiente que as envolve. Foi o caso do encontro de Jerónimo de Sousa com a população da Mina de São Domingos, na tarde deste domingo, 17.

Há iniciativas de campanha eleitoral que se distinguem das demais pelo ambiente que as envolve. Foi o caso do encontro de Jerónimo de Sousa com a população da Mina de São Domingos, na tarde deste domingo, 17.

O caminho até à Mina de São Domingos é acidentado. E quando à morfologia do terreno se juntam anos de laxismo no tratamento da rede viária, mais penoso se torna. À chegada, a aldeia parecia ainda mais deserta do que aquilo que se pode perspectivar quando nos deslocamos em reportagem ao interior deste País, empurrado, por anos de política de direita, para o Litoral ou para além fronteiras. Puro engano.

Afinal, a Mina estava na rua, mais precisamente junto ao Centro Republicano 5 de Outubro, onde ocorreu a iniciativa da CDU. Nas cadeiras, nos beirais, em pé na praça, a população ali estava. Se não toda, uma boa parte. Com as suas maleitas e misérias a conjugarem com as casas e arruamentos, na sua maioria de aspecto paupérrimo, carentes de meios. Ali estavam e não arredavam pé até que chegasse o Secretário-geral do PCP.

O motivo era forte. Depois de 16 anos de gestão PS no concelho de Mértola, impõem-se a mudança. Desde logo na Freguesia de Corte do Pinto, à qual pertence a Mina de São Domingos. Isso mesmo sublinhou o cabeça-de-lista à Assembleia de Freguesia, José Brás.

Homem de trabalho e da terra, ligado ao movimento associativo e à comunidade local – é presidente do Grupo Coral e da Associação de Reformados da Mina, tendo-se apresentado trajado a rigor, uma vez que antes das intervenções o cante alegrou as almas –, José Brás tem um discurso directo, que o povo, o seu povo entende, constatámos.

«O PS acusa os comunistas de não terem feito nada. Quem fez os esgotos, e o fornecimento de água, e a Praia Fluvial? Acusam os comunistas de não usarem os fundos comunitários. Então se são eles que os usaram nestes anos todos, onde está a obra?».

O povo percebe a linguagem de José Brás. Sente o candidato como um dos seus. E José Brás, com uma convicção inabalável, salientou ainda que «vamos ganhar para trabalhar em prol da nossa freguesia».

Orlando Pereira, primeiro candidato à Câmara Municipal de Mértola também está confiante no triunfo. São já muitos anos de gestão PS, a qual, acusou, agravou a desertificação e o definhamento económico e social do concelho.

A CDU pretende resgatar Mértola do fundo da lista dos concelhos mais deprimidos e empobrecidos. E nesse sentido Orlando Pereira apontou prioridades: investimento e emprego, aproveitamento das potencialidades locais, requalificação de estradas e da rede de saneamento básico, combate às desigualdades e à exclusão social.

Servir o povo e os trabalhadores e não usar os cargos electivos para nos servirmos – é com este propósito que os candidatos da CDU se apresentam, sejam filiados no PCP ou no PEV, sejam independentes que abraçam o projecto autárquico da Coligação Democrática Unitária, realçou, por seu lado, Jerónimo de Sousa.

Projecto com provas reconhecidas em 34 concelhos e ao qual Mértola merece regressar. Este é o momento, aludiu Jerónimo de Sousa, que partiu para a última iniciativa de campanha deste fim-de-semana, em Serpa, embalado pelo cante alentejano e com a determinação reforçada pela têmpera das gentes da Mina, que vieram à rua e parecem não estar dispostos a arredar. Pela vitória da CDU.

Partilha

CDU - Coligação Democrática Unitária - PCP-PEV | Eleições Autárquicas 2017