«O Porto pintou-se com as cores da CDU!»

Ver Galeria
Arruada no Porto

Notice: Undefined offset: 0 in /home/cdupt/public_html/parlamentoeuropeu2019/theme/templates/noticia.php on line 176

Notice: Undefined offset: 0 in /home/cdupt/public_html/parlamentoeuropeu2019/theme/templates/noticia.php on line 177

Notice: Trying to get property of non-object in /home/cdupt/public_html/parlamentoeuropeu2019/theme/templates/noticia.php on line 177

Notice: Undefined offset: 0 in /home/cdupt/public_html/parlamentoeuropeu2019/theme/templates/noticia.php on line 177

Notice: Undefined offset: 0 in /home/cdupt/public_html/parlamentoeuropeu2019/theme/templates/noticia.php on line 177

Notice: Trying to get property of non-object in /home/cdupt/public_html/parlamentoeuropeu2019/theme/templates/noticia.php on line 177
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto
Arruada no Porto

«Aqueles que andaram a dizer que a CDU só pisava terrenos firmes, bastiões, hoje vão ter de dizer que o Porto pintou-se com as cores da CDU», disse João Ferreira, à tarde, no final de uma arruada na baixa da «invicta».

O primeiro candidato da CDU ao Parlamento Europeu (PE) fez o percurso entre os Aliados e a Rua de Santa Catarina acompanhado pelo Secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, e pelos também candidatos Diana Ferreira, Tiago Oliveira, Sandra Pereira, João Pimenta Lopes e Mariana Silva.

Ilda Figueiredo e Alfredo Maia, mandatário distrital da candidatura do PCP-PEV, também integraram a cabeça de um desfile que a determinado momento encheu por completo a Rua 31 de Janeiro, que sobe os Aliados até à Batalha.

A ex-deputada do PCP no PE e actual vereadora comunista na CM do Porto, chamada a saudar a moldura humana, deu de resto nota da batalha levada a cabo pelos deputados eleitos pela aliança entre comunistas e ecologistas em defesa dos direitos das mulheres.

Na mesma tónica usou da palavra Mariana Silva, que em nome de «Os Verdes» considerou que «a luta pela igualdade» - na lei e na vida, como já havia dito Ilda Figueiredo – «terá tanta mais força quanta mais força, mais votos, obtiver a CDU».

Apelo ao voto foi o que deixou também aos portuenses Jerónimo de Sousa. E referindo-se a uma sondagem recente que «não dava nem um voto de um jovem à CDU», perguntou aos muitos jovens presentes: «então e tu, e tu, e tu?». A resposta foi «juventude é CDU», dando aso a que, mais adiante no discurso, o Secretário-geral do Partido tenha realçado que «esta Rua de Santa Catarina é a melhor sondagem».

Antes, João Ferreira já havia deixado fortes apelos ao voto no último quadrado, na foice e no martelo com o girassol ao lado, frase que tem servido de slogan mobilizador. Particularmente «a todos aqueles cujo coração bate à esquerda, aos progressistas, a todos os democratas e patriotas, àqueles que até podem nem sempre ter estado de acordo connosco, mas que sabem que nas horas decisivas e mesmo nas horas mais difíceis, quando estão em causa combates de civilização, quando está em causa resistir à submissão nacional, a CDU é a força certa e segura que encontram a travar todos e cada um desses combates!»

Ao longo da arruada, o cabeça-de-lista da CDU ouviu e repetiu consignas como «avançar, avançar, na CDU votar». E por isso detalhou algumas das áreas nas quais, considera que, reforçando o PCP-PEV, se está mais perto de avançar.

Uma delas é a justiça fiscal. Nesse sentido, sublinhou a necessidade da «instituição de impostos sobre o capital – como o imposto sobre as transacções financeiras ou sobre as multinacionais do sector digital –, cujas receitas devem reverter para os orçamentos nacionais, aliviando os impostos sobre o trabalho» e permitindo «que os lucros das grandes empresas e multinacionais sejam tributados no País onde são gerados, acabando com a vergonha que hoje existe».

«Avançar com o levantamento do sigilo bancário, com o combate ao branqueamento de capitais e à fraude e evasão fiscais; avançar para que os Berardos e todos os que se escondem detrás dele, paguem o devem», concluiu.

Partilha