Levar a luta das mulheres até ao voto na CDU

Ver Galeria
Jantar com mulheres apoiantes CDU
Jantar com mulheres apoiantes CDU
Jantar com mulheres apoiantes CDU
Array
Jantar com mulheres apoiantes CDU
Jantar com mulheres apoiantes CDU
Jantar com mulheres apoiantes CDU
Jantar com mulheres apoiantes CDU

Porque razão quis a CDU marcar o arranque da sua campanha eleitoral com um jantar de mulheres que apoiam a Coligação PCP-PEV?. A resposta foi dada na segunda-feira, 13, por João Ferreira, primeiro candidato da CDU, durante um jantar com mais de 400 pessoas, na Casa do Alentejo, em Lisboa. «Este não é ainda o tempo da igualdade. Construir esse tempo da liberdade e da igualdade é para nós uma prioridade e, simultaneamente, parte inalienável do projecto de sociedade que temos e pelo qual lutamos», salientou o candidato.

João Ferreira elencou, depois, algumas da razões para «dar mais força à CDU nas próximas eleições» de 26 de Maio, que passam por «apoiar uma força com um importante património de intervenção no Parlamento Europeu (PE) em torno da igualdade e pelos direitos das mulheres» e pela «garantia de uma luta determinada pelo cumprimento dos valores, conquistas e direitos das mulheres consagrados em Portugal com a Revolução de Abril e plasmados na Constituição da República».

A terminar lançou um desafio às mulheres que assumem a igualdade com uma dimensão fundamental para as suas vidas: «Nestas eleições tomem partido!». 

Reforçar a CDU

A sessão apresentada por Ana Margarida Carvalho, mandatária nacional, contou ainda com as intervenções de Deolinda Machado e de Jerónimo de Sousa. Antes ocorreu um momento cultural, com Ana Sanmarful (violino), Joana Sanmarful (violoncelo) e Sofia Sequeira (guitarra). Apresentadas, para além de João Ferreira, foram as candidatas Viviana Nunes, Isabel Camarinha, Alma Rivera, Mariana Silva e Sandra Pereira, assim como dirigentes nacionais do PCP e do PEV.

O Secretário-geral do PCP assegurou que «para a CDU os direitos das mulheres são para cumprir, no trabalho, na vida social, política, cultural e desportiva». «Estamos na primeira linha da luta em defesa da igualdade entre mulheres e homens assente num eficaz combate às discriminações específicas que a estas atinge» e, simultaneamente, «assumindo a responsabilidade no âmbito da política patriótica e de esquerda de promover as condições económicas, sociais e culturais para que elas sejam exercidas no trabalho, na família, na vida social, política e cultural, construindo desta forma a igualdade, não meramente formal, mas como processo de construção quotidiana», assegurou o Jerónimo de Sousa.

Conquista e avanço

Quase a terminar, o Secretário-geral do PCP apelou ao «reforço da CDU para levar o País para a frente, avançar e não andar para trás». «O País precisa não de crises políticas criadas por calculismo eleitoral e fixações em maiorias absolutas, mas de avançar com uma política alternativa que faz falta para resolver os problemas nacionais», sublinhou.

A «menos de 15 dias de os portugueses fazerem a sua opção», entre «prosseguir um caminho de conquista e avanço com o reforço eleitoral da CDU» ou «manter o País amarrado na dependência do exterior e das orientações políticas que impedem o seu desenvolvimento e a melhoria das condições de vida dos portugueses», Jerónimo de Sousa lançou também um desafio: «Tudo temos que fazer para que as eleições para o PE  sejam o início de um caminho de conquista e avanço da CDU com mais votos e mais deputados para fazer avançar o País».

«É convosco e com muitos milhares de mulheres espalhadas por todo o País que vamos construir um resultado que, dando mais força à CDU, dê mais força à defesa dos seus direitos e a um projecto de desenvolvimento do País», concluiu.

Partilha