Confiança e garantias da CDU afirmadas em Alpiarça

Ver Galeria
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça
Comício em Alpiarça

As tradições democráticas do concelho, nos mais distantes tempos de resistência e de luta contra o fascismo, como no período mais recente da ofensiva conduzida pelo governo PSD/CDS, foram o pano de fundo sob o qual decorreu o grande e entusiástico comício de quarta-feira à noite, em Alpiarça, no largo frente à histórica colectividade Os Águias.

O papel das forças políticas que dão corpo à CDU foi lembrado como marca de diferença face aos demais partidos e como garantia quanto à acção futura, argumentos para apelar a mais um esforço, até ao último minuto, para ganhar mais apoios e mais votos nas eleições de domingo.

Augusto Figueiredo, dirigente regional do PCP e candidato na lista da CDU para o Parlamento Europeu, perguntou «onde estavam os outros partidos e agora candidatos quando encerravam escolas, estações de correio, nos incêndios, na luta contra a privatização e o desmembramento da EMEF?». «Eu só vi os deputados do PCP», respondeu o primeiro orador da noite.

A dirigir o comício, Mário Fernando Pereira, por todos reconhecido como presidente da CM Alpiarça e que a si próprio se apresentou apenas como membro da DOR Santarém do PCP, deu depois a palavra a Mariana Silva.

A dirigente do Partido Ecologista «Os Verdes» e candidata na lista da coligação PCP-PEV, considerou «muito positivo» o balanço do trabalho realizado nestes dias de campanha eleitoral. «Mas é preciso continuar nas ruas a informar, a levar o trabalho feito pelos eleitos da CDU a toda a gente, a explicar que o voto na CDU é importante para defender Portugal na União Europeia e um novo caminho para a política da UE».

Notando como «todos hoje se dizem ambientalistas desde pequeninos», chamou a atenção para «as políticas que praticam e promovem» e que «em nada defendem o ambiente». Sublinhou que «o voto ecologista é na CDU» e defendeu que «é possível termos na UE uma voz “verde”, que se comprometa com a defesa dos interesses nacionais, das pessoas e dos seus direitos, a exigir um combate sério à poluição da terra, do ar e da água» e que «continuará a lutar por um plano sério e realista de despoluição do Rio Tejo».

Para João Luís Madeira Lopes, da Intervenção Democrática e mandatário regional da CDU, esta é «legítima herdeira dos movimentos unitários» que lutaram contra o fascismo e pela liberdade: o MUD e a CDE. Recordou que «Alpiarça foi pioneira e terra marcante dessa jornada» e evocou alguns nomes de «camaradas e companheiros que foram exemplo de dedicação solidária».

Madeira Lopes relatou como, na campanha da oposição democrática, em 1973, Jerónimo Nazaré denunciou em Alpiarça «os abutres que nos governam» e foi julgado em tribunal por isso e, «no próprio dia 25 de Abril de 1974, procurou-me em Santarém e propôs que fôssemos já a Lisboa, queria gritar lá “Os abutres que nos governaram”».

João Ferreira começou por afirmar que o «combate constante» travado nesta campanha «pela seriedade, pelo rigor e, acima de tudo, pela verdade» é para prosseguir. «Não aceitamos o vale-tudo da superficialidade e do ilusionismo daqueles que estiveram juntos no Parlamento Europeu em todas as decisões relevantes e vêm agora fazer de conta que, afinal, têm grandes diferenças», declarou o deputado e primeiro candidato na lista da CDU, confirmando a intenção de «clarificar opções e combater ilusões, com uma coerência de razões» que a vida tem vindo a confirmar.

A CDU apresenta-se como «uma força de confiança», pois «nunca enganámos ninguém com embrulhos muito bonitos a esconder conteúdos muito amargos». João Ferreira indicou três exemplos: o «pilar social» da União Europeia, «que PS, PSD e CDS apoiaram no Parlamento Europeu e que o PS agora quer verter no seu “contrato social”»; a União Bancária «ao serviço dos megabancos que nos sugam o fruto do nosso trabalho»; e a directiva sobre a água para abastecimento público, «que garante condições para os concessionários privados continuarem a fazer negócio à conta deste direito fundamental, mas ainda com menos encargos».

A CDU é «a grande força que faz a diferença no pantanoso consenso comunitário das políticas da direita e da social-democracia, onde convivem há anos PS, PSD e CDS, com graves consequências para Portugal», realçou Jerónimo de Sousa, o último dos oradores.

O Secretário-geral do PCP assinalou que «na nossa campanha os problemas do País não passam ao lado, como acontece com as campanhas de PS, PSD e CDS». Estes assumem em conjunto «um programa alheio congeminado em Bruxelas» e alimentam a campanha com «troca de piropos» e «secundaríssimas diferenças», «porque, naquilo que vai contar e que determina verdadeiramente o rumo do País, já se puseram de acordo, quando ajoelharam perante o directório das grandes potências europeias e os monopólios».

Declarando «confiança num bom resultado da CDU», «pela lista que temos e pelo trabalho realizado no Parlamento Europeu», Jerónimo de Sousa acrescentou que «sentimos também o reconhecimento, por mais portugueses, pelo nosso trabalho e luta aqui no País», durante os últimos «quatro anos que mostram a decisiva importância de dar força à CDU».

«Nós temos confiança de que é possível avançar», mas esta é «uma confiança que não fica à espera», «uma confiança de quem vai à luta», pelo que «não podemos abrandar no esforço para a conquista de novos votos, mas também para que nenhum voto se perca, mesmo nenhum, daqueles votos que podem contribuir para eleger deputados CDU e dar mais força à força que temos hoje para avançar», disse o dirigente comunista, apelando a «um esforço final de mobilização e de esclarecimento».

«Pilar social» quer dizer retrocesso

Como um dos «embrulhos muito bonitos a esconder conteúdos muito amargos», João Ferreira referiu em Alpiarça o «pilar social» da UE, que o PS adoptou como «novo contrato social».

Na verdade, sob a capa da preocupação social, ele traz consigo o aumento continuado da idade da reforma, o aumento e a desorganização do horário de trabalho, a generalização da precariedade no trabalho e na vida e a instabilidade permanente, traz a desvalorização das pensões e da Segurança Social e abre mesmo caminho para a privatização da Segurança Social.

«É preciso muito descaramento», criticou o candidato e deputado, depois de se debruçar sobre os conteúdos do documento proclamado com toda a pompa em Novembro de 2017: - «Onde é que esse pilar social afirma a necessidade de investimento nos serviços públicos, mantendo-os na esfera pública? Não defende!

- Conseguem provar-nos que o pilar social proíbe a precariedade no trabalho, fazendo com que a um posto de trabalho permanente corresponda um vínculo permanente? Não, não o faz, pelo contrário legaliza a precariedade com a introdução de conceitos como a “flexibilidade” e o “auto-trabalho”!

- Conseguem dizer-nos onde está escrito que o direito ao trabalho é um direito fundamental de qualquer cidadão? Não conseguem, pelo contrário, aquilo que está escrito é o direito a procurar emprego».

João Ferreira alertou que, «a ser aplicado em Portugal, este pilar social significaria que andaríamos para trás décadas no que toca aos direitos laborais e sociais que já hoje estão consagrados na Constituição».

Partilha