Arruada na Baixa da Banheira mostra onda de apoio a crescer

Ver Galeria
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira
Arruada na Baixa da Banheira

João Ferreira deixou ao final da manhã desta quarta-feira, 22, um forte apelo a que cada simpatizante e apoiante da CDU seja um activista na batalha do esclarecimento. Até ao cair do pano,  sexta-feira próxima, que «cada um continue pelas mais variadas formas a informar, esclarecer, divulgar o trabalho e as propostas da CDU», afirmou o primeiro candidato da lista da Coligação PCP-PEV no final de uma grande arruada na Baixa da Banheira, Moita, reveladora da onda crescente de simpatia e apoio em torno da Coligação.

Apelo de sentido idêntico fora feito já pelos oradores que o antecederam, Rui Garcia, presidente da Câmara, e Heloísa Apolónia, do Partido Ecologista «Os Verdes» perante a centena e meia de apoiantes que acabara de percorrer a via mais movimentada daquela freguesia ribeirinha do concelho da Moita.
«CDU avança com toda a confiança», «Avançar é preciso, para trás não», foram duas das palavras de ordem gritadas energicamente ao longo de mais de meia hora de percurso, enquanto João Ferreira e restantes candidatos distribuíam por comerciante e transeuntes um folheto informativo com as principais propostas da Coligação.

Abordada de forma particular nesta jornada foi a questão do novo aeroporto de Lisboa,  com o cabeça de lista da CDU a salientar que a opção do Governo, que tem merecido a viva contestação da população de vários concelhos da Margem Sul e das autarquias, bem como das forças que integram a CDU, é a «demonstração do que acontece quando um sector estratégico, como são os aeroportos, funciona em função dos interesses de uma multinacional e não em função dos interesses do País».

Sem medo das palavras, João Ferreira acusou mesmo o Governo de deitar fora trabalho realizado que custou dinheiro ao País e de tomar decisões em favor de interesses privados.

«O governo anterior decidiu entregar uma empresa, que dava todos os anos lucros ao Estado e que era estratégica, a uma multinacional francesa; o Governo actual, para fazer um favor a essa multinacional, pôs de lado o trabalho que o País andou a fazer durante anos, em que gastou tempo, dinheiro, para estudar a solução», acusou o candidato da CDU.

Severo na crítica ao Governo por ter posto de lado a «conclusão» a que anteriormente se chegara, só «para fazer o favor a uma multinacional e para agradar à UE», João Ferreira advertiu ainda que a solução que aquele pretende adoptar «não resolve a necessidade de um novo aeroporto de Lisboa». 
«Esta solução soma problemas aos problemas que já existem», alertou o candidato, que explicou porquê. É que a somar ao impacto «já muito grande sobre a saúde das populações, sobre o ambiente e no capitulo da segurança» (o aeroporto a funcionar na capital, dentro da malha urbana), acrescenta-se outro impacto não menor na margem sul em« termos ambientais e sobre a população».

Partilha